Atitudes do Mergulhador – Mudanças de um passado não tão distante

Recentemente publicamos a foto ao lado com o seguinte questionamento em nosso grupo no Facebook:

“Na antiga foto, diga quais são os 5 erros cometidos pelo mergulhador.”

E como era de se esperar, choveu comentários indicando os erros e problemas encontrados, além de alguns mergulhadores demonstrando incômodo e insatisfação, principalmente porque o mergulhador que aparece na foto está segurando um Clyoeasteroida, mais conhecido como Bolacha-do-Mar.

Foto: Marcelo Sanglard

A foto foi tirada na década de 90 por um amigo, numa época em que as certificadoras americanas estavam começando a surgir no Brasil.

Infelizmente esse tipo de atitude era normal no passado, sendo uma atitude muito mal vista nos dias atuais, tanto, que ao ingressar nos primeiros cursos da PADI na época, minha postura mudou e, hoje minha flutuabilidade é considerada exemplar, por chegar tão próximo dos pequenos seres para fotografá-los sem causar qualquer tipo de contato durante todo o mergulho.

Antigamente víamos instrutores e divemasters pegarem animais para mostrá-los de perto, aos alunos e clientes. Alguns chegavam a pegar ouriços e quebrá-los com suas facas, para retirar as partes moles do interior, com intuito de atrair e alimentar os peixes. Um absurdo total.

Hoje isso mudou e felizmente não vemos essas atitudes, simplesmente porque o mergulho evoluiu para melhor, havendo cada vez mais consciência em prol do meio ambiente.

A foto foi publicada justamente para chamar a atenção de todos, para dar ênfase quanto alguns aspectos importantes que todos os mergulhadores devem dar atenção.

Jogo dos 5 erros

1 – Segurar animais

Como mencionei, segurar qualquer tipo de animal é considerado um erro grave, e o mergulhador deve ter a consciência de manter distância e apenas apreciar o que a natureza tem para mostrar. Afinal de contas, estamos embaixo d’água apenas para apreciar o meio subaquático, e não para causar interferências que possam causar danos.

2 – Tocar no fundo marinho

O mergulhador jamais deve tocar no fundo, mesmo que o fundo contenha apenas areia, pois de qualquer forma ele causará danos ao meio ambiente, porque sempre existirão pequenos seres, e até aqueles invisíveis ao olho humano.

Devemos manter distância do fundo e evitar ao máximo qualquer tipo de apoio, toque e encostar as nadadeiras no fundo, nos rochedos e nos seres subaquáticos.

3 – Controle de Flutuabilidade

O controle de flutuabilidade é fundamental e acho que uma pessoa jamais deveria ser credenciada se não possuir uma boa flutuabilidade.

É um quesito que todos os instrutores deveriam cobrar de seus alunos, pois a pessoa que sai credenciada sem uma flutuabilidade boa, acabará tendo diversos tipos de problemas durante seus mergulhos, além de causar grandes danos ao meio subaquático.

O consumo de gás será muito mais alto, haverá um aumento de esforço físico, e certamente, um cansaço maior ao término do mergulho, diminuindo o desempenho num segundo mergulho, por exemplo.

4 – Configurações de Equipamentos

No Mergulho Técnico aprendemos que todos os equipamentos devem estar muito próximos ao corpo do mergulhador, pois ele poderá se enroscar em algo, por ter alguma parte do seu equipamento muito exposto.

Na foto em questão, o manômetro está fixado por um mosquetão de plástico (muito comum naquela época) e ficando para fora. Além disso, ele pode acabar batendo em algo e ser danificado.

É muito importante que o mergulhador mantenha seu equipamento bem próximo ao corpo, para não parecer uma verdadeira “Árvore de Natal” com um monte de coisas penduradas.

5 – Snorkel no lado esquerdo

Discussões sobre o uso snorkel são sempre polêmicas, pois as pessoas pensam de formas diferentes.

Alguns gostam de usá-lo no mergulho autônomo outros não.

Alguns acham que ele deve ser colocado no lado esquerdo e outros no direito, e por aí vai.

Em tese, o snorkel deve ser colocado no lado esquerdo para evitar qualquer tipo de proximidade com a mangueira de fornecimento de gás para o segundo estágio do regulador, deixando a área mais livre e mais acessível para a mangueira que está no lado direito do rosto do mergulhador, e ficando um acesso melhor ao snorkel no lado esquerdo.

Alguns comentários

Algumas pessoas mencionaram que o mergulhador não estava utilizando Octopus, na verdade estava. O modelo era um antigo Sherwood integrado ao Power do colete, e que acabou ficando atrás do animal que está sendo segurado. Mas a percepção em geral foi boa, porque as pessoas deram falta do Octopus, o que de fato, poderia ser outro erro.

O computador de mergulho era um Aladim, que também estava atrás do animal, e por isso, não poderia ser visto.

Quanto à lanterna, era uma antiga lanterna fabricada pela Toshiba, sendo mais conhecida no mercado como “Toshibinha”, e que mesmo com pilhas, flutuava como aparece na foto. Era comum fixar a lanterna no colete equilibrador usando mosquetão de plástico, e deixá-la de lado até ser usada em algum momento.

Conclusões

Sem dúvida é uma foto polêmica e que serve de exemplo de como não se deve mergulhar. Ela retrata como era o mergulho no passado e o quanto o mergulho mudou nesses últimos tempos.

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986 pela CMAS, participando da primeira turma da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount IANTD, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho, fotografia e vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, sendo o idealizador do portal Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP).

Atuou na produção de diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência para a mídia, órgãos públicos no país e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO, quando o assunto é mergulho em naufrágio.

Veja também:

Por que os mergulhadores não devem tocar nos animais ?

Aprendemos nos cursos de mergulho que jamais devemos tocar nos seres marinhos, pois isso faz mal para eles. Saiba mais sobre o assunto.

Colete Stealth 2.0 da XDeep – Um equipamento de impressionar

Equilíbrio, conforto, alto desempenho e segurança em um só colete para mergulhos com a configuração sidemount.

V-Weight – Para que serve e como construir um

Aprenda a fazer seu próprio V-Weight e não fique com a flutuabilidade positiva nos mergulhos com cilindros duplos.

A Chave da Flutuabilidade

Alguns aspectos importantes para uma flutuabilidade perfeita do mergulhador.