Quem nunca teve dificuldades ao tentar fechar a bagagem de viagem e a roupa de neoprene ficar se desdobrando e atrapalhando ?

Normalmente a roupa acaba se desdobrando, e com isso, ocupando mais espaço na mala de viagem.

Uma dica foi enviada pela mergulhadora Tânia Ministro, de São Paulo, que é a utilização de elásticos de roupa comum para deixar a roupa de neoprene dobrada e sem riscos dela se abrir.

Segundo ela, a ideia surgiu quando foi preciso manter vários documentos organizados na empresa em que trabalha, e o uso dos elásticos, permitiram que os milhares de papéis e documentos fossem agrupados sem que se espalhassem de uma hora pra outra nos armários do escritório.

Foto: Clécio Mayrink

Fazendo em casa

Pra testar a ideia, peguei um rolo de elástico que tinha em casa e cortei dois pedaços com a circunferência um pouco da roupa já dobrada.

O elástico que possuía tinha uma largura inferior ao da foto repassado pela colaboradora, mas ainda assim, ele foi capaz de manter a roupa dobrada, ficando mais fácil acondicioná-la na mala de viagem.

Foto: Clécio Mayrink

Vale lembrar que os elásticos só devem ser usados para o transporte da roupa.

Ao chegar ao destino final a roupa deve ser guardada em um cabide suspenso, para evitar que o neoprene fique com marcas de dobras e que a roupa tenha uma ventilação adequada, evitando a possibilidade do mal odor.

Fica a dica !

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986, participando da primeira turma de Dive Master da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho e fotografia / vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS, em 2008, é o idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência quando o assunto é mergulho e naufrágios para a mídia e órgãos públicos no país, e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO.