Busca de mergulhadores à deriva – Uma técnica pouco conhecida

Um dos grandes medos dos mergulhadores é ficar à deriva em alto-mar e a embarcação de mergulho não conseguir encontrá-los.

Sabemos que alguns sinalizadores podem ajudar nas buscas, como uma lanterna, strobo ou rádio Nautilus Lifeline, por exemplo, mas nem sempre esses equipamentos são suficientes.

Após alguns casos de mergulhadores terem sido levados por fortes correntes, uma operadora de mergulho na Austrália criou uma técnica (Lost Dive Buoy) bem simples e que ajuda bastante no resgate de mergulhadores… a técnica das boias.

Nessa técnica utilizamos duas boias e usando um cálculo simples, consegue-se ter uma ideia da localização do mergulhador perdido em relação à embarcação de mergulho.

Procedimentos

  • Solta-se a boia 1;
  • Passados exatos 10 minutos, solta-se a boia 2;
  • Sem seguida, marca-se o tempo de navegação entre a boia 1 e 2, e obtém-se a direção da corrente;
  • Calcula-se o tempo necessário para navegar até o provável local onde o mergulhador se encontra.

Exemplo:

Tempo desde a última avistagem do mergulhador: 60 minutos

Tempo de navegação entre a boia 1 e 2: Total de 40 segundos com rumo 85º.

60min / 10min = 6 (onde 60 é o tempo da última avistagem e 10 tempo entre as boias).

Então 40s de navegação  6 = 240 segundos

Logo, 240 segundos é o tempo necessário de navegação com rumo 85º, para alcançar a provável localização do mergulhador.

Conclusão

Em diversos testes feitos pela operadora que criou esse método, os acertos foram de 100% e o manequim usado nos testes acabou sempre sendo encontrado pela equipe, apesar da maioria das vezes, eles acreditarem que ele estivesse na direção contrária.

A técnica é simples, de baixo custo e com resultados satisfatórios, sendo muito melhor usá-la do que sair com a embarcação por aí tentando achar uma agulha no palheiro.

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986 pela CMAS, participando da primeira turma da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount IANTD, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho, fotografia e vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, sendo o idealizador do portal Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP).

Atuou na produção de diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência para a mídia, órgãos públicos no país e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO, quando o assunto é mergulho em naufrágio.

Veja também:

Entrevista: Prof. Raphael Lemgruber – CEO da Archangelus Group

Ele é CEO da Archangelus Group, que é uma instituição especializada em resgates aero marítimos e que contará com a piscina mais funda do mundo, a Deep 60.

Brasil terá a piscina mais funda do mundo com 60m de profundidade

Projeto revolucionário será um grande centro de treinamento e atendimento em resgates no país, com diversas bases em nossa costa.

Mergulho de Segurança Pública

Quando o mergulho está relacionado ao resgate, a situação é muito mais séria que um mergulho recreativo, pois envolve muitos riscos.

Resgatada aos 105m de profundidade

O que a princípio seria só mais um mergulho profundo em Cuba, quase se transformou no último mergulho de uma brasileira em Cuba.