Camaquã – Um mergulho sempre memorável

Não foi a minha primeira visita à Corveta Camaquã em Recife, mas, como em todas as vezes que lá retornei , constato que é um mergulho dos mais interessantes que um mergulhador técnico pode realizar.

Nesse fim de ano visitei Recife por duas vezes num curto espaço de tempo. Inicialmente com a turma de rebreathers que escolheram a capital dos naufrágios para realizar o seu encontro e desta vez com os amigos Basílio, Frugoni e Sérgio. Em ambas as ocasiões usamos a Operadora Aquáticos que disponibilizou os catamarãs Galileu e Voyager.

Recife continua sendo a meca dos mergulhadores em naufrágio, seja pelo número de embarcações disponíveis para visita, seja pela qualificação das operadoras locais, isso sem falar da boa qualidade da rede hoteleira e dos inúmeros atrativos a disposição do visitante.

O próprio Clécio esteve lá recentemente e seus relatos estão disponíveis aí no site.

Meu ponto de mergulho preferido na justamente denominada “Capital dos Naufrágios” é a corveta Camaquã, e sempre que possível volto a visitá-la.

Desta vez tinha a responsabilidade de “apresentá-la” a dois amigos que me acompanhavam e que estavam curiosos diante das minhas referências sempre elogiosas ao imponente naufrágio. Já o Sergio Panda é contumaz frequentador do local.

Navegação tranquila até o ponto de mergulho, com o Gaba descendo primeiro para fixar o cabo de descida. Boias de referência lançadas ao mar e o catamarã aproxima-se delas permitindo o lançamento dos mergulhadores.

Para a turma do Rio, a visibilidade e a cor da água em Recife já vale à viagem e quando estão presentes num mergulho aos 54 metros de profundidade, aí é a festa.

Como se tratava de uma primeira visita, optei por percorrer o naufrágio de proa à popa pelo exterior do mesmo, deixando para fazer as primeiras penetrações no trajeto de retorno.

Os gestos e as fisionomias dos companheiros de mergulho denotavam a toda hora sua satisfação.

Passagens estreitas no interior da embarcação estimulavam e tornavam ainda mais instigante aquela experiência.

Todas as vezes que ali retornamos não esquecemos que aquele é um cenário em que ocorreram mortes de tripulantes o que nos leva a tratá-lo com o devido respeito, o que quer dizer também, nada retirar do naufrágio.

Após trinta minutos de mergulho iniciamos a nossa subida e descompressão num cenário incrivelmente azul e de quando em vez cercados por peixes de diversas espécies.

Usamos para esse mergulho, duplas de aço com Trimix 20/30, como gás de fundo e cilindros S40 com EAN 50 e O² respectivamente para descompressão.

No retorno, começam os comentários sobre os momentos vividos durante o mergulho e já nos surge aquele gostinho de “quero mais”.

Por:

Roberto Luz (Bob Light)

Roberto da Luz (Bob Light) é consultor em segurança e instrutor MSDT PADI. Possui diversas especialidades como: Tec Deep Diver e Dive Master - Tec Rec / DSAT, Deep Diver - IANTD, Intro Cave Diver, Trimix Diver pela DSAT e TDI, Cave Diver pela NACD, Medic First Aid Instructor e Oxygen Provider - DAN.

Realizou diversos mergulhos no exterior, como Mar Vermelho, Bahamas), Bonaire, San Andrés, Cuba, Nova Zelândia, México, Truk Lagoon, dentre outros.

Veja também:

Navio americano afundado na Segunda Guerra por U-Boat é encontrado

O navio americano USS Eagle PE-56 naufragou com 49 dos 62 tripulantes e foi localizado por um grupo de mergulhadores no Maine, Estados Unidos.

Marinha do Brasil incorpora atleta de apneia

O atleta recordista de apneia, Ricardo Bahia, foi incorporado recentemente na graduação de 3º sargento no âmbito do Programa Olímpico da Marinha.

Navio da Marinha localiza naufrágio ao sul da ilha Queimada Grande

Tripulação do navio da Marinha do Brasil, Sirius, localizou naufrágio da embarcação de pesca Odemar II, desaparecida com parte da tripulação.

Navegantes mais seguros com os novos helicópteros SAR da Marinha do Brasil

O primeiro de quinze helicópteros SAR, foi entregue para a Marinha em um evento ocorrido este mês, e trará mais segurança aos navegantes.