Cilindros de Mergulho: Marcação errada pode condená-lo

Todo mundo sabe que os cilindros de mergulho possuem alguns números na parte superior. Esses números tem como objetivo dar algumas informações técnicas como:

  • Data de fabricação
  • Número de série
  • Pressão de trabalho
  • Se é um cilindro de aço ou alumínio
  • Nome do fabricante
  • Data do último teste hidrostático
  • Além das informações acima, dependendo do fabricante, poderá haver informações adicionais.

Até aí tudo bem, nada fora do normal, mas quando falamos em teste hidrostático, surge um problema que poucas pessoas sabem e que dependendo da situação, poderá condenar o cilindro de mergulho ou até colocar as pessoas sob risco.

Diferença das espessuras do topo com a lateral

A marcação errada que pode condenar

Quando um teste hidrostático é realizado em um cilindro de mergulho, a empresa responsável pelo teste adiciona uma marcação no cilindro informando o mês e ano em que o teste foi realizado.

Esta informação servirá para que as operadoras possam saber quando foi realizado o último teste, e se o mesmo está dentro do prazo de validade.

Alguns técnicos em manutenção de equipamentos no Brasil notaram o surgimento de cilindros com esta marcação, mas com a data marcada em uma área imprópria do cilindro.

Normalmente a marcação e feita no topo e antes da última linha de informações do fabricante, pois a espessura da parede do cilindro nesta área do topo é muito maior que as laterais.

Ao marcar na parede lateral, que é mais fina, a marcação poderá criar micro fissuras, possibilitando um rompimento do cilindro, e consequentemente, graves acidentes para quem estiver por perto.

Segundo a Luxfer, a maior fabricante de cilindros de mergulho do mundo, é permanentemente proibida a marcação abaixo da última linha de informações, e caso isso ocorra, o descarte do cilindro deve ser realizado afim de, evitar a possibilidade de acidentes.

Portando, fique atento ao receber um cilindro com teste recém realizado, para ter a certeza de que a data do último teste fora realizada na área correta de marcação.

Colaboração: Miguel Lopes

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986 pela CMAS, participando da primeira turma da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount IANTD, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho, fotografia e vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, sendo o idealizador do portal Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP).

Atuou na produção de diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência para a mídia, órgãos públicos no país e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO, quando o assunto é mergulho em naufrágio.

Veja também:

Mergulho na História – Torneira com reserva, já ouviu falar ?

No passado elas eram peças fundamentais na segurança do mergulhador, e felizmente caíram em desuso com o advento do manômetro de imersão.

Cilindros de Carbono – Uma realidade no mergulho

Eles pesam menos, requerem menos lastro e conseguem ter uma capacidade superior em armazenamento de gás. Saiba mais sobre os cilindros de carbono.

Rede de Proteção de Cilindros de Mergulho: Usar ou não ?

O que deveria proteger o equipamento de mergulho, na maioria das vezes acaba contribuindo para um efeito contrário. Saiba mais...

Compra de cilindro de mergulho usado – Um negócio arriscado

Muitos mergulhadores adquirem cilindros de mergulho usados, mas devem se atentar em alguns aspectos para não entrar em uma roubada.