Da Hora II – Um naufrágio que não existe mais

“Tudo que é bom dura pouco”, diz o ditado popular.

Um desperdício de oportunidade para todos… Um naufrágio aconteceu e nada dele sobrou.

Segundo a legislação brasileira, o proprietário de uma embarcação que venha a naufragar, além do enorme prejuízo, pela perda do barco, deve arcar com os custos do desmonte da embarcação, para que a mesma não ofereça risco aos banhistas, e foi o que ocorreu com a embarcação Da Hora II, avaliado em R$ 3 milhões de reais e que veio a naufragar na costa do Rio de Janeiro recentemente.

O fato

Às 23h do dia 30 de abril de 2009, a embarcação Da Hora II veio a colidir com a Ilha do Breu, localizada em Cabo Frio. A colisão abriu um grande rombo no casco e consequentemente, o alagamento do porão e casa de máquinas. Duas outras embarcações que estavam por perto atenderam ao pedido de socorro e conseguiram levar a embarcação até a Praia do Peró (Cabo Frio). Apesar de todos os esforços, tudo foi em vão, pois a embarcação veio a naufragar às 02hs do dia 01 de maio a uma profundidade de 6m.

Era noite e a embarcação rumava sob o comando do Piloto Automático, e embora o sonar tenha detectado a ilha se aproximando e Ter disparado o alarme indicando que havia algo à frente ou ao redor”, nada foi feito a tempo para impedir a colisão.

No desespero do desastre, a tripulação optou em encalhar o barco na Praia do Peró para salvar os equipamentos eletrônicos. Realmente, como o calado do barco eram de 5m, o barco assentou-se aos 6m de profundidade.

A embarcação ficou praticamente na linha d’água, estando vulnerável as forças das marés e ressacas, impossibilitando um trabalho de resgate submarino para futuro reparo do casco e posterior reflutuação do mesmo.

A cada mudança de maré a embarcação era jogada para a beira mar e seu casco danificando-se ainda mais a cada dia.

Constatado então da total inviabilidade de se poder salvar a embarcação, deu-se início ao trabalho de desmonte da mesma.

Naufragio-DaHora2

Tudo presenciado

Acompanhei toda a operação dia a dia e lamentava ao ver a dilaceração deste grande guerreiro do mar, que um dia, certamente já havia enfrentado valente e corajosamente as grandes tempestades e trazendo sempre, com segurança, seus tripulantes.

Infelizmente agora, ferido e precisando de ajuda, parecia implorar para que impedissem aquela crueldade. Ele lutou bravamente contra a vontade do Homem e somente se deu por vencido quando da chegada de um trator que he rasgou ao meio expondo suas costelas e seu coração.

Incrédulo com o que se passava a meus olhos, fiquei pasmo quando soube que todo o madeirame que estava sendo arrancado, pois soube que não serviria para mais nada, pois o gasto de transporte, tratamento e remodelagem das peças teria um custo muito alto do que encomendar novas peças para a construção de um novo barco.

Agora imaginem, tudo aquilo poderia ter se tornado um lindo recife artificial, atraindo vida marinha para aquela praia e contribuindo para o turismo local, no que diz respeito aos mergulhadores.

Toda manhã, ia até o naufrágio para “conversar” um pouco com ele antes que os trabalhadores chegassem.

Fiquei lá até que o último pedaço dele fosse arrancado do mar. Uma lágrima correu de meus olhos e disse: Vai meu amigo ! Vai navegar agora na imensidão Azul do Céu.

Comentando sobre este naufrágio com alguns amigos meus, fui ironizado com a alegação de que não havia mais naufrágio algum para que alguém pudesse ver.

Particularmente, discordo sobre isso. O que fazermos então com celebres naufrágios como o Wizard, Galeão da Rasa, Carolina e tantos outros que hoje estão praticamente desintegrados devido ao efeito do tempo ? Vamos descadastrá-los dos registros ou guardamos as informações para valorizarmos nossa história ?

Um fato ocorre para ser registrado e não para ser apagado.

Infelizmente, faltou interação entre a Secretaria de Turismo, Operadoras de Mergulho, Capitania dos Portos, IBAMA e com o proprietário da embarcação para que este belo barco, viesse a se tornar um recife artificial, o que iria trazer mais vida marinha para o local, assim como um novo e excelente ponto de mergulho.

Que ao menos a perda deste naufrágio sirva de alerta a todos para que isso não ocorra mais.

Ficha Técnica

  • Embarcação: DA HORA II
  • Naufrágio: 01/05/2009
  • Posição: 22.51’50″ S / 41.59’03″ W
  • Ano fabricação: 1977
  • Comprimento: 26m
  • Boca: 6.5 m
  • Calado: 5m
  • Tipo: Pesqueiro de alto mar
  • Condições atuais: Não existe mais

Por:

Paulo Dias

Paulo Dias mergulha a mais de 20 anos, é Instrutor Silver PDIC (#11332) e Isntrutor PADI #1569264, formando um número superior a 500 mergulhadores. Foi o primeiro mergulhador a utilizar Trimix no mergulho recreativo e sua escola foi a primeira a trabalhar com Nitrox e Trimix no Brasil. Possui também certificação TDI como Advanced Nitrox Diver e Extended Range Diver.

Tem como hobby, a pesquisa de naufrágios e a prática de hipismo. Foi integrante do grupo Wreckfinder, grupo voltado a pesquisa e busca de naufrágios na costa brasileira.

Veja também:

A Operadora AquaRio e as ações que levaram o progresso a Cabo Frio

Randal Fonseca comenta sobre as ações que a operadora pioneira realizou na região norte fluminense, que acabou levando diversos benefícios para a população.

Mar recua nos EUA e Manatees morrem encalhados

Equipes de voluntários tentam salvar dezenas de manatees encalhados nas praias da costa americana, devido ao recuo do mar.

Naufrágio Carolina em Cabo Frio

Um naufrágio ocorrido em 1913 próximo à cidade de Cabo Frio, litoral norte do Estado do Rio de Janeiro, que mudou a economia local.

Pulando na água, nade para longe !

Procedimento simples pode evitar transtornos aos mergulhadores durante uma operação de mergulho.