Visitar as ilhas Galápagos é ter a certeza de que sempre iremos nos deparar com muitas espécies de animais com os mais variados tipos e tamanhos.

Dentre as diversas ilhas que compõem o arquipélago das Galápagos, a área com maior destaque é a região onde se encontra a Ilha de Darwin e suas ilhotas, distantes aproximadamente 400Km da ilha de San Cristobal, onde encontramos o principal aeroporto do arquipélago.

Talvez em razão da distância e com visitação menor de turistas, na Ilha e no Arco de Darwin encontramos uma imensa quantidade de vida marinha, e a incidência de uma corrente com temperaturas mais elevadas, tornando o mergulho ainda mais bonito e confortável.

Os mergulhadores chegam até lá usando live aboard. No meu caso, permanecemos na região por dois dias inteiros e com intensos de mergulhos. Acordávamos cedo, tomávamos o café da manhã e já saíamos para mergulhar, sempre seguindo o guia local, que era um profundo conhecedor da região.

Foto: Clécio Mayrink

Mergulhos

Os mergulhos iniciavam com uma descida rápida em direção a formação rochosa e uma intensa corrente durante todo o mergulho. Como estávamos atrás do tubarão-baleia, ficávamos alguns minutos aguardado o guia informar o momento certo para desgarrar das rochas e nadar em direção ao azul, e a surpresa era certa… a passagem do gigantesco tubarão-baleia à nossa frente. Até hoje fico tentando saber como o guia sabia que o tubarão estava se aproximando, pois olhávamos para todos os cantos e não víamos nada. Era como se o guia combinasse com o tubarão o momento certo para que ele passasse por nós.

Quando o guia dava o sinal e nadava em direção ao azul e onde sequer tínhamos algum tipo de referência do fundo ou dos paredões, alguns segundos depois surgia lentamente uma grande mancha e que ia cada vez mais escurecendo até que conseguíamos perceber que o imenso tubarão-baleia vinha em nossa direção, nadando lentamente em relação ao seu tamanho, mas rapidamente em relação aos mergulhadores, pois era impossível acompanhá-lo.

Em dado momento cheguei a ficar atrás de sua cauda e consegui sentir o grande volume de água deslocado por sua cauda. Era flash para tudo quanto é lado e uma emoção indescritível, pois o animal possuía aproximadamente 15m de comprimento, sendo um dos grandes.

No final do dia, era curtir o pôr do sol numa banheira de hidromassagem e relembrar os bons momentos dos mergulhos realizados naquele dia e conversar com os novos amigos.

Foto: Clécio Mayrink

Arco de Darwin

Bem próximo da ilha de Darwin existe uma formação rochosa com um buraco no meio, e essa formação recebeu o nome de Arco de Darwin, sendo a referência principal da região e local onde normalmente são realizados os mergulhos.

O local possui fortes correntes, água clara e quente, além de grande quantidade de vida marinha e onde é possível avistar imensos agrupamentos de tubarão-martelo, que passam ignorando os mergulhadores. Na ocasião, tive a oportunidade de realizar um drift dive com o renomado guia local, e na ocasião derivamos aproximadamente 2Km de distância entre o ponto do início do mergulho e o local de saída, já do outro lado do Arco de Darwin. Deixávamos apenas a corrente nos levar e desviar de possíveis rochas que surgiam pela frente.

Os mergulhadores voltaram do último mergulho extasiados e, ao mesmo tempo, parecendo crianças com tamanha felicidade com tantos animais observados em um único mergulho, permanecendo as cenas desses mergulhos em minha mente até os dias atuais.

Galápagos foi e sempre será um dos melhores destinos de mergulho do mundo e se você pretende visitá-las, tenha a certeza que você não irá se decepcionar.

Foto: Clécio Mayrink

Dicas

Talvez seja um exagero, mas se você vai para Darwin, recomendaria levar dois pares de luvas, principalmente se você for fotografar / filmar. Recebi essa dica de um amigo antes de ir e confesso que valeu a pena, pois voltei com os dois pares rasgados.

Em várias ocasiões, ficávamos grudados nas rochas aguardando a passagem do tubarão baleia, e a corrente no local (pelo menos na época em que estive por lá) estava muito forte, e ficar segurando nas ásperas rochas vulcânicas e a caixa estanque na outra mão ao mesmo tempo, não foi uma tarefa fácil, pois a caixa estanque gera arrasto e a luva começa a sofrer alguns cortes. Quando você percebe, as pontas dos dedos e a palma da mão estão se desfazendo.

Leve duas câmeras !   Sim, já imaginou chegar num local desses e sua câmera apresentar problemas ?  Como fica voltar de lá sem fotos ?  Foi o que aconteceu com um mergulhador. Seja prevenido, além do quê, levar uma segunda câmera não irá causar excesso de bagagem.

Filtro solar sempre !   O sol é muito forte e você deve ter em mente que estará no Equador, onde a incidência do sol e ultravioleta é mais forte, portanto, leve um protetor solar de alto fator de proteção.

Brasileiros pagam uma taxa menor de visitação. Fique atento !

Ao chegar ao aeroporto de San Cristobal, é necessário pagar uma taxa de turismo. Quando fui, turistas oriundos da América do Sul pagavam US$ 50 e demais estrangeiros US$ 100.

Se você costuma enjoar nas embarcações, talvez o uso de algum tipo de medicamento seja interessante para os primeiros dias embarcados. Nesse caso, talvez seja recomendável procurar um médico para que ele avalie o caso e prescreva algum medicamento contra enjoos e não cause sonolência.

Quanto ao nível de experiência para mergulhar por lá, tenho por convicção que o mergulhar deve possui uma boa experiência em mergulho. Por lá, não dá pra ficar subindo no meio do mergulho por causa das correntes e devemos ter em mente que é um mergulho em alto mar.

Galeria de Imagens – Clique na imagem abaixo:

Darwin – Galápagos – Fotos: Clécio Mayrink / Google Photos

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e no autônomo em 1986, participando da primeira turma de Dive Master da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver e Advanced Cave Sidemount / No Mount, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS, em 2008, é o idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência em mergulho e naufrágios para diversas entidades como ONU, UNESCO e diversos órgãos públicos no Brasil.