Aqueles que usam roupa seca, ao passarem por locais estreitos como naufrágios e cavernas, muitas vezes acabam se descuidando e deixam sua roupa seca tocar em alguma parte cortante e pontiaguda, surgindo posteriormente a dúvida, se naquele ponto ou em algum outro da roupa, acabou havendo uma perfuração.

Outro ponto importante, é que utilizar uma roupa seca não quer dizer a garantirá de um retorno do mergulho 100% seco. Ela fará sim, o isolamento do seu corpo da água, contudo, se durante o mergulho houverem alguns movimentos bruscos, ela pode deixar entrar um pouquinho d’água para o interior. Em função disso, algumas vezes pode ficar a dúvida se houve ou não uma perfuração na roupa.

Roupa-Seca1Como saber se há furos ?

Uma alternativa é fazer o teste da espuma na roupa, e verificar se aparecerão bolhas de espuma em um determinado ponto.

Procedimentos

Roupa-Seca21 – Coloque a roupa e encha a mesma com a válvula de purga fechada.

2 – Uma pessoa precisará passar o sabão neutro na área onde possivelmente haja a perfuração.

3 – Com a espuma utilizada para passar o sabão, pressione a Roupa-Seca3mesma onde haja a possibilidade de perfuração na roupa, e verifique de estão saindo bolhas de sabão no local. Se houverem, significa que neste ponto o ar está saindo do interior da roupa seca devido furo.

4 – Grave o local da perfuração e lave a roupa para retirar o sabão.

Outro tipo de teste, é mergulhar e pedir à um amigo para que verifique se estão saindo bolhas de ar de algum ponto da roupa. Não é tão eficiente quanto ao método da espuma, mas pode ser feito antes do procedimento acima, em função da facilidade.

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986, participando da primeira turma de Dive Master da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho e fotografia / vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS, em 2008, é o idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência quando o assunto é mergulho e naufrágios para a mídia e órgãos públicos no país, e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO.