Algumas vezes encontramos máscaras de mergulho com algumas manchas no silicone, principalmente, nos modelos com silicone transparente ou mais claro.

Em casos mais raros, até máscaras inteiras manchadas e com uma cor mais escura que a tonalidade original. Isso acontece devido ao contato da máscara com o suor do rosto, que com o tempo, consegue desbotar a tonalidade original do silicone.

Como sabemos, máscaras de silicone são bem mais resistentes contra o sol do que os modelos mais antigos e fabricados puramente em borracha. Hoje até encontramos máscaras fabricadas com borracha sintética, que é a borracha com a adição de alguns componentes químicos para ampliar a durabilidade dessa borracha, mas ainda assim, são menos resistentes que os modelos fabricados em silicone.

Basicamente a origem dessas manchas se relaciona com o contato direto com componentes químicos, como o próprio suor do mergulhador e elementos químicos à base de óleo, como é o caso do protetor solar.

Já é comprovado que esses protetores acabam facilitando a aparição de manchas no corpo da máscara de mergulho e infelizmente não há como contornar esse tipo de problema.

A melhor forma para tentar diminuir a aparição de manchas, é tentar remover o máximo possível do protetor solar que esteja no rosto do mergulhador, para diminuir o contato direto do corpo da máscara com o elemento químico.

Jamais o mergulhador deve sair para mergulhar sem o uso do protetor solar, mas para manter seu equipamento em melhores condições, infelizmente será necessário remover o protetor antes de utilizar a máscara.

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e no autônomo em 1986, participando da primeira turma de Dive Master da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver e Advanced Cave Sidemount / No Mount, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS, em 2008, é o idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência em mergulho e naufrágios para diversas entidades como ONU, UNESCO e diversos órgãos públicos no Brasil.