Octopus não é segundo estágio !

Ter um octopus em seu regulador é seguir as regras básicas do mergulho autônomo e ampliar sua margem de segurança. Todo Octopus deve ser usado em situações emergenciais e não previstas durante o mergulho.

Havendo a necessidade de utilizá-lo, o mergulhador deve fornecer o gás ao dupla e seguir para a superfície em seguida, finalizando o mergulho.

O Octopus é um equipamento que compramos esperando nunca precisar utilizá-lo, e de fato, raramente alguém utiliza ele. O problema é que eventualmente vemos mergulhadores fornecendo gás para outro que ficou sem, ocorrendo isso normalmente pelo consumo excessivo de gás, apesar de saberem dos procedimentos corretos, muitos insistem e acabam continuando o mergulho como se nada tivesse acontecido.

O uso do Octopus como “segundo estágio apenas” deve ser descartado, e havendo a necessidade de utilizá-lo por causa de alguma situação inesperada, o mergulhador deve abortar o mergulho e levar o dupla imediatamente para a superfície.

Ignorar esse procedimento, é ignorar as regras básicas, e acidentes de mergulho começam com pequenos erros que se transformam em uma bola de neve, tendo consequências graves.

Outro aspecto importante, é que além do fornecimento de gás ao dupla, os mergulhadores precisam estar bem próximos para o fornecimento correto de gás, evitando que a mangueira do Octopus fique esticada demasiadamente. Isso evitará a possibilidade de rompimento dela, que poderá gerar o vazamento instantâneo de todo o gás do mergulhador que está fazendo a doação.

Sempre que for doar seu gás, esteja mais próximo do outro mergulhador e jamais doe gás para um apneísta desconhecido, caso contrário, ele poderá acabar tendo uma Embolia Traumática pelo Ar (ETA), por desconhecer que não se pode segurar ar comprimido durante o retorno até a superfície.

Mergulhadores com a mangueira do Octopus esticada – Foto: Clécio Mayrink

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986 pela CMAS, participando da primeira turma da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount IANTD, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho, fotografia e vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, sendo o idealizador do portal Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP) e responsável pelo tema Mergulho no 1° Atlas dos Esportes do Ministérios dos Esportes.

Atuou na produção de diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência para a mídia, órgãos públicos no país e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO, quando o assunto é mergulho em naufrágio.

Veja também:

Mangueiras da Dive Gear Express – Baixa qualidade e risco no mergulho

A baixa qualidade no processo de fabricação da marca DGX podem colocar o mergulhador sob risco de acidentes e é preciso ter atenção a este equipamento.

Fixação curvada do Octopus – Isso pode danificar o equipamento

A fixação da mangueira do octopus no formato curvado degrada mais rapidamente o equipamento e pode colocar o mergulhador sob risco.

Recall: Mangueiras de Segundo Estágio Dive Rite

Mais uma empresa é afetada com o recall das mangueiras fabricadas pela DaniCorp e solicita aos proprietários a imediata troca ou reembolso.

Recall: Mangueiras de Segundo Estágio da Dive Gear

Foi detectado um problema de fabricação nas mangueiras de segundo estágio e a Dive Gear solicita aos proprietários que entrem em contato.