O’Dive – Analisa e ajusta a descompressão adequada para o mergulhador

Imagine você poder retornar do mergulho e saber se o formato da descompressão realizada está bem adaptada as suas características corporais… este é o sonho de muitos mergulhadores, pois sabemos que os computadores de mergulho e modelos matemáticos das tabelas, dão uma direção para que os mergulhadores se livrem da doença descompressiva, mas não geram os mesmos resultados para cada um.

A empresa francesa, a Azoth Systems está fabricando um produto único e inovador chamado O’Dive, o primeiro Doppler portátil para mergulhos personalizados, combinando a análise e estatística de descompressão com a detecção de bolhas de ultrassom Doppler, a fim de melhorar segurança do mergulho.

A empresa fez um breve lançamento do produto no ano passado e expôs no Paris International Dive Show em janeiro e na feira Boot em Düsseldorf, Alemanha. No verão de 2020, Azoth informou que já tinha cerca de 1.000 usuários do O’Dive em mais de 25 países.

Tendo o dispositivo e um aplicativo em um smartphone ou tablet, é possível que um mergulhador faça a medição da “qualidade de sua descompressão” em uma escala de zero a 100%, com base em uma análise de seu perfil de mergulho junto com os resultados das medições de bolha pós-mergulho, tiradas com o monitor doppler O’Dive. O produto foi projetado para que os mergulhadores façam suas próprias medições.

O sensor Doppler inteligente possui pequenas dimensões e carrega as medições de bolhas para a nuvem, contribuindo para um fornecimento e avanço no monitoramento doppler, que tem sido procurado por mais de 30 anos. Até pouco tempo, fazer uma medição doppler pós-mergulho exigia um técnico treinado para fazer uma leitura precisa e interpretar os resultados.

Com seu índice de qualidade de descompressão na tela, o mergulhador pode consultar o modelo preditivo e se em quanto a descompressão pode ser melhorada, ajustando vários fatores do mergulho, incluindo as frações de oxigênio e hélio em suas misturas de gases, o ponto de ajuste (no caso de um mergulho CCR), fatores de gradiente alto e baixo (GFs), adição de uma parada de descompressão extra e/ou ajuste do comprimento da última parada. O mergulhador pode então incorporar as mudanças preferenciais em mergulhos subsequentes, permitindo-lhes melhorar a segurança do mergulho. Ou assim vai a teoria.

O produto deve custar em torno de US$ 600 sem impostos.

Por:

Redação

Se você possui algum conteúdo relacionado ao mergulho e acha que pode ser interessante dividir com outros mergulhadores ?

Clique aqui para entrar em contato conosco e enviar o conteúdo a principal revista eletrônica sobre mergulho do Brasil.

Veja também: