Práticas de mínimo impacto aplicadas ao mergulho recreativo, turístico e lazer

A Organização das Nações Unidas (ONU) proclamou 2002 como o Ano Internacional do Ecoturismo numa tentativa de nos alertar a respeito da falta de planejamento e administração adequados aos locais visitados, em particular às áreas naturais ecológica e culturalmente frágeis. Nos últimos anos, o número de mergulhadores recreativos aumentou de forma surpreendente e a comunidade de mergulho está consciente do dano ecológico que tal fato pode provocar.

Compreendendo nossa responsabilidade diante dessa questão, a maioria dos instrutores procura, a cada curso de mergulho ministrado, formar nos novos mergulhadores uma consciência referente a suprema responsabilidade de manter vigilância constante e avaliação prudente a respeito de modificações que afetem a vida nos oceanos e o equilíbrio da sua natureza. Hoje sabemos que o comportamento de todo aquele que vem para junto do mar é um importante fator que pode contribuir para o aumento dos impactos causados em áreas de mergulho.

Sabemos também que, por consequência, temos o dever de administrar harmoniosamente os oceanos, garantindo o direito de mares não contaminados e não danificados para as gerações futuras. Como mergulhadores estamos assumindo o nosso dever em zelar pelas gerações futuras a fim de evitar um mal irreversível e irreparável à vida, à liberdade e à dignidade humana.

Nesse sentido, a compreensão a respeito das motivações individuais, do contexto grupal, da educação e experiência de cada mergulhador nos ajudará, associado a diversos outros fatores de mesma importância, a promover ações que modifiquem atitudes inadequadas e consequentemente reduzam os impactos gerados por elas.

Mergulhando em pontos constantemente visitados por embarcações em nosso país já é comum encontrar sinais evidentes do impacto no ambiente submerso tais como plásticos, vidros, pilhas, pneus, lixo em geral, lançados por indivíduos sem escrúpulos e sem qualquer noção de cidadania.

A comunidade do mergulho tem se preocupado com essa questão há muito tempo, e programas como o Dia de Limpeza dos Oceanos tem sido uma constante, mobilizando uma grande parcela de mergulhadores comprometidos. Mas infelizmente só isso não é suficiente. Um único dia no ano não basta.

Sabemos que existem, entre outros, impactos muito mais graves e menos evidentes como a pesca predatória ou a contaminação da água com combustíveis e esgotos repletos de poluentes humanos e industriais, gerando mudança do hábito da fauna, alteração na dinâmica do ecossistema marinho e promovendo até a extinção de algumas espécies. A ação poluidora do Homem parece não ter limites. Quase tudo que a humanidade tem feito polui. A poluição não pode ser totalmente eliminada, a menos que haja uma transformação radical na mente e nas economias atuais.

O Homem até agora tem se contentado com soluções que adiem os problemas catastróficos, conformando-se em conviver para sempre com eles. Frente a tal situação faz-se necessário investir em outras estratégias de prevenção e de manejo. Ao invés de prosseguirmos violentando a natureza, precisamos entender que o planeta Terra é um complexo sistema ecológico que compartilhamos com todas as outras espécies de vida animal e vegetal, e que essa estrutura baseia-se no equilíbrio.

Cada vez que uma característica é alterada, outras também serão, o que nos faz pensar no futuro e na possibilidade de não haver futuro. Uma estratégia de manejo que a comunidade de mergulho aplica há muito tempo é a adoção de um programa de educação para a prática de mínimo impacto.

A adoção de tais técnicas fundamenta-se no princípio ético de que todos os mergulhadores são responsáveis pela manutenção do bem-estar da área em que mergulham, e, embora as ações de uma só pessoa não sejam visíveis no ambiente, as ações de milhares de mergulhadores fazendo a mesma coisa terão um impacto positivo muito mais abrangente. A essência dessa técnica é deixar a área onde você vai mergulhar em melhor estado após o mergulho.

Nosso pressuposto inicial é sempre que precisamos informar ao novo mergulhador, através de alguns princípios básicos claros e bem elaborados, quais as práticas e hábitos adequados e não adequados para a atividade do mergulho, permitindo ao mergulhador, agregá-los à sua experiência gradualmente.

Praticá-los leva tempo, exige um certo grau de comprometimento e uma boa dose de experiência, mas não é complicado. Desenvolver uma ética ambiental com relação ao mar é um dos itens de fundamental importância que os instrutores devem se preocupar, educando seus mergulhadores de forma contínua, até que os mesmos incorporem em suas visitas tal postura, e a encarem como a lição mais valiosa que poderão associar no seu dia a dia. Tais procedimentos são essenciais no uso público de qualquer área natural e tem demonstrado sucesso em diversos locais de mergulho como Bonaire, Cozumel, Mar Vermelho e Austrália.

No Brasil, programas de impacto mínimo já fazem parte dos discursos oferecidos por diversas empresas de mergulho.
Algumas condutas de mínimo impacto em áreas de mergulho

Planejamento

  1. Informe-se a respeito dos regulamentos e restrições existentes: se é permitido ou não o uso de luvas, faca, praticar pesca, caça submarina, etc;
  2. Informe-se sobre as condições climáticas do local e consulte a previsão do tempo, tábua de marés, ventos, ondas e correntes;
  3. Certifique-se de que você e/ou a embarcação possuem uma forma de acondicionar o lixo adequadamente;
  4. Escolha os mergulhos que você vai realizar conforme o seu condicionamento físico, grau de treinamento e experiência;
  5. Planeje seu mergulho e apresente seu plano ao supervisor de mergulho;
  6. Cumpra o planejamento e seja competente com o uso de tabelas e/ou computadores de mergulho;
  7. Tenha um plano de emergência e telefones de contato à mão.

 

Segurança

  1. O salvamento e resgate em ambiente de mergulho é caro e complexo. Não se arrisque sem necessidade.
  2. Calcule o tempo total em que passará viajando e deixe um roteiro com alguém de confiança.
  3. Caso você ainda não possua experiência suficiente, contrate empresas do ramo. (Mergulhadores inexperientes podem causar impactos sem perceber e correr riscos desnecessários).
  4. Use sempre barco, boia o outro apoio de superfície.
  5. Avise ao Dive Supervisor responsável pela operação a respeito de sua experiência e certificação.
  6. Ouça cuidadosamente as instruções e respeite as recomendações do supervisor de mergulho.
  7. Mergulhar exige boa saúde física e mental. Se não estiver bem, diga não ao mergulho.
  8. Aprenda técnicas de navegação submarina, resgate, administração de oxigênio e primeiros socorros.
  9. Retorne ao ponto inicial do mergulho sem entrar na reserva.
  10. Disponha do equipamento de mergulho apropriado e em bom estado de manutenção.
  11. Mantenha correta flutuabilidade.

 

Cuide do fundo do mar

  1. Observe os animais à distância. A proximidade pode ser interpretada como ameaça e provocar um ataque, mesmo de pequenos animais;
  2. Não alimente os animais. Com esse procedimento você altera os hábitos dos seres marinhos;
  3. Não persiga, apanhe, moleste e nem mate os animais;
  4. Aprecie a beleza do local sem agredir a natureza e dando a mesma oportunidade aos outros mergulhadores;
  5. Seja educado com outros mergulhadores. Procure não levantar suspensão;
  6. Evite entrar a bordo de qualquer embarcação com armas, anzóis, bebidas alcoólicas;
  7. Não trafegue em alta velocidade próximo aos locais de mergulho. Respeite a vida;
  8. Colabore com a educação de outros mergulhadores, transmitindo os princípios de mínimo impacto sempre que houver oportunidade.

Por:

Roberto Trindade

É Instrutor Trainer IANTD.

Veja também:

Mergulhando com segurança pós Covid

Uma análise das práticas seguras para retomada da atividade do mergulho no Brasil.

Ocean Cleanup Day – Ilhabela

Durante a semana do Meio Ambiente, foi realizada em Ilhabela um mutirão de limpeza pelos mergulhadores, gerando um excelente resultado na remoção do lixo.

Profissionais podem se tornar Green Fins certificados gratuitamente

Curso gratuito visa orientar os profissionais do mercado internacional do mergulho com informações para a preservação dos corais.

Camiseta Dry Fit com proteção UV da Dive Water

O modelo segue uma nova tendência de roupas de proteção, sendo uam excelente opção para o mergulhador sair sem se preocupar com os raios solares.