Se você mergulha desde a década de 80, muito provavelmente você dirá que o primeiro relógio digital a ter profundímetro integrado era o Citizen Aqualand, e a resposta está correta.

O primeiro relógio que se têm notícia com profundímetro é realmente o C0023, vulgo Aqualand, da Citizen. O segundo relógio foi o Casio AWR320, um relógio com profundímetro, altímetro e barômetro, lançado em 1990 no Japão.

O Aqualand

Citizen lançou em 1989 o Citizen Aqualand cuja patente 4611923 foi criada nos Estados Unidos no dia 27 de novembro de 1985. A descrição da patente mencionava um relógio eletrônico com um medidor de profundidade, tendo um sensor de pressão da água. O relógio era facilmente reconhecido pelo ressalto da caixa metálica por causa da exposição do sensor de profundidade, e na época, esse relógio revolucionou o mergulho, pois integrava as informações de tempo e profundidade em um pequeno dispositivo.

Além do tempo de mergulho, ele possuía alarmes de profundidade, cronômetro digital e um alarme de tempo. O primeiro Aqualand causou um enorme impacto no mercado de relógios para o mergulho esportivo, com seu design inovador e tecnologia avançada, iniciando uma família de relógios Aqualand a partir desse ano.

Jean Reno interpretando Enzo Molinari no filme Imensidão Azul (Le Grand Bleu) de Luc Besson com o Aqualand no pulso.

A primeira linha do Aqualand foi comercializada em com três modelos diferentes, sendo um com aro de tempo na cor prata, outro em dourado e um Aqualand todo preto com o aro dourado, modelo este imortalizado no tempo pelo uso do mergulhador livre Enzo Molinari, interpretado por Jean Reno, no famoso filme Imensidão Azul (Le Grand Bleu), de Luc Besson.

No Brasil o Aqualand chegou a ser comercializado com preço exorbitante, e normalmente comprava uma unidade naquela época, normalmente adquirido nos Estados Unidos ou porque alguém havia trazido. O relógio era considerado uma joia e era objeto de desejo de todos os mergulhadores.

Casio AWR 320

Em 1990 a Casio decidiu investir no mercado e lançou o Casio AWR 320, um relógio com mostrador analógico e com botões coloridos, tendo um custo bem mais baixo que o Aqualand.

Seu display possuía três funções: Profundímetro, barômetro e altímetro e funcionavam bem.

Seu altímetro media até 4.000m, o barômetro em milibares e o profundímetro até 30m de profundidade. Ele perdia no quesito profundímetro para o Aqualand, que media até os 80m. De qualquer forma, era um relógio que funcionava bem, era resistente e os mergulhadores usavam seu profundímetro nos mergulhos sem qualquer transtorno.

O tempo passou e os relógios foram deixados para trás

Anos após os lançamentos da Citizen e da Casio, os relógios com profundímetro digital acabaram caindo em desuso, principalmente depois da chegada dos primeiros computadores digitais de mergulho.

Posso estar enganado, mas até onde me recordo o primeiro computador com cálculos descompressivos a chegar ao Brasil foi o Aladin, na época fabricado pela empresa suíça Uwatec, que funcionava muito bem e todos que podiam compravam para não usar mais as tabelas descompressivas, na época, bem radicais e que não permitiam calcular mergulhos multi-níveis.

As primeiras unidades do Aladin foram importadas por uma operadora na Barra da Tijuca e logo depois pela Cobra Sub, ambas no Rio de Janeiro.

Hoje o Aqualand é sinônimo de super relógio e ainda cobiçado pelos mergulhadores da antiga, por ser um equipamento que foi um marco na história mundial do mergulho.

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986, participando da primeira turma de Dive Master da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho e fotografia / vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS, em 2008, é o idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência quando o assunto é mergulho e naufrágios para a mídia e órgãos públicos no país, e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO.