Recentemente recebi de um fabricante na China, um computador de mergulho tem possui uma qualidade excepcional em todos os aspectos, com intuito de realizar uma avaliação do produto.

Ao abrir a caixa, é perceptível que eles se atentaram aos mínimos detalhes no que diz respeito ao acabamento do produto, acessórios e a própria caixa que o protege, e tudo isso num custo bem menor que muitos outros produtos da categoria atualmente disponíveis para os mergulhadores, sendo um bom exemplo de que os chineses estão investindo em qualidade.

Nas últimas edições do DEMA Show, a maior feira de equipamentos de mergulho do mundo e realizada nos Estados Unidos, também é perceptível um aumento de participantes oriundos da Ásia em cada edição do evento e, um encolhimento dos fabricantes mais tradicionais e conhecidos do mercado e oriundos dos Estados Unidos e da Europa, mostrando uma tendência cada vez maior para a produção de equipamentos de mergulho na Ásia.

O que antigamente gerava receio por questões de qualidade, hoje, os equipamentos manufaturados em países como a China, hoje não são mais um problema, e basicamente tudo está diretamente ligado ao custo da produção final e quanto ao aumento na qualidade dos equipamentos apresentados.

Lanternas Lycan – Foto: Clécio Mayrink

Os chineses estão a cada dia melhorando mais e mais em qualidade e desempenho dos produtos, e nos levando a crer, que haverá um crescimento tão grande na produção de equipamentos sendo fabricados na Ásia e que os fabricantes mais conhecidos dos Estados Unidos e Europa irão perder esse mercado para os orientais. E vou além, já prevejo que em alguns anos, feiras como o DEMA Show estarão apresentando as grandes novidades em equipamentos de mergulho, tendo como origem a Ásia.

Uma característica bem comum nas últimas feiras é a demonstração das melhorias dos equipamentos e detalhes antes inimagináveis e com manuseio cada vez mais fácil, além é claro, de outros benefícios não encontrados nos produtos tradicionalmente fabricados pelos americanos e europeus.

Acredito que em pouco tempo voltaremos nossos olhares para os equipamentos asiáticos, face aos aspectos convidativos para a compra, como a qualidade e preço, e a dúvida que muitos acabam tendo hoje em dia na hora da compra por questões de qualidade, isso não será um fator a ponto de interferir na escolha do produto.

Fabricante de caixas estanques da China – Foto: Clécio Mayrink

Repasse de tecnologia e um perigo para o mercado

Ao longo do tempo, diversos fabricantes passaram a manufaturar seus equipamentos em fábricas na Ásia, e com isso, os asiáticos foram adquirindo conhecimento e tecnologia, e em razão disso, diversos especialistas veem essa questão como um grande risco para a indústria americana e europeia, por causa da tendência cada vez maior para a diminuição de mão de obra qualificada para a fabricação de equipamentos de mergulho na América e Europa, e muitos já especulam que os orientais aumentarão seus custos de manufatura, por que em alguns anos a maior parte de equipamentos fabricados estará nas mãos dos asiáticos. Tudo leva à crer que será uma questão de tempo para que isso ocorra.

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e no autônomo em 1986, participando da primeira turma de Dive Master da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver e Advanced Cave Sidemount / No Mount, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS, em 2008, é o idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência em mergulho e naufrágios para diversas entidades como ONU, UNESCO e diversos órgãos públicos no Brasil.