Side Scan Sonar – Seu funcionamento

Side Scan Sonar é um sistema de sonar (Sound Navigation and Ranging) para busca e detecção de objetos embaixo d’água, realizando uma varredura lateral através da transmissão de sinais de retorno, também conhecido como pulsos ou eco.

A geração de imagens através da varredura lateral é um método onde se utiliza-se feixes estreitos da energia acústica (som) transmitidos pelo towfish (equipamento responsável pela emissão dos sinais) ao o fundo do mar ou lago. O som é refletido ao se chocar com o fundo desses.

A recepção deste pulso chega até o Side Scan com um dado, onde cálculos matemáticos são realizados por um computador, gerando logo após, as imagens com a topografia do fundo. Conforme a variação topográfica, os sinais interpretados vão sendo descritos em uma tela digital ou em papéis impressos nos modelos mais antigos deste tipo de equipamento.

A escala da imagem é determinada pelo tempo que o towfish leva para receber o pulso refletido do fundo, transmitindo um novo pulso logo após. A imagem é gerada com base nessas variações de tempo entre um pulso e outro, onde os objetos rígidos refletem mais pulsos, gerando uma imagem escura, e os objetos flexíveis, como não refletem pulsos, acabam por gerarem imagens mais claras na tela.

Como este tipo de equipamento trabalha com pulsos, se configura a frequência à ser utilizada conforme a necessidade e tipo do local a ser mapeado, pois algumas frequências trabalham melhor do que outras em determinados casos.

Por exemplo: Altas frequências tais como 500kHz a 1MHz, provém excelente definição de imagem, mas atingem uma distância do barco até o fundo, muito inferior que as frequências mais baixas como 50kHz ou 100kHz, que dão uma definição inferior, mas atingem grandes distâncias.

Multi Beam, Dual Frequency e DGPS

Alguns modelos de Side Scan, possuem Multi Beam ou Dual Frequency, ou até mesmo os dois módulos.

Modelos com multibeam, possuem outros feixes laterais para a emissão de pulsos, diferenciando dos modelos mais tradicionais com apenas um emissor. Sendo assim, a embarcação poderá navegar mais rápida sem perder o sinal aguardado pelo Side Scan.

Quando se trabalha com um Side Scan tradicional, há uma limitação quanto à velocidade da embarcação no momento do rastreamento, onde normalmente não se pode ultrapassar os 5 nós ou menos, para assegurar a cobertura a ser feita pelo Side Scan. Modelos com multibeam, a embarcação pode chegar até 15 nós sem perda de pulsos.

Modelos com Dual Frequency, como o próprio nome já diz, trabalham co ma emissão de pulsos em duas frequências diferentes e ao mesmo tempo, aumentando as chances de se encontrar embarcações naufragadas.

Além dos opcionais acima, existem os modelos de Side Scan com o módulo DGPS, que durante a navegação e a geração do mapeamento, dados obtidos através de posicionamento global, vão sendo anexados ao mapeamento, facilitando a interpretação e plotagem dos mapas gerados. Seria parecido com o Laser Scan, porém, atingindo maiores profundidades.

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986 pela CMAS, participando da primeira turma da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount IANTD, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho, fotografia e vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, sendo o idealizador do portal Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP).

Atuou na produção de diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência para a mídia, órgãos públicos no país e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO, quando o assunto é mergulho em naufrágio.

Veja também:

Novo sistema de monitoramento de mergulhadores por satélite

Sistema permitie monitorar os mergulhadores, além de possibilitar que o mergulhador saiba onde está embaixo d'água.

Navio da Marinha localiza naufrágio ao sul da ilha Queimada Grande

Tripulação do navio da Marinha do Brasil, Sirius, localizou naufrágio da embarcação de pesca Odemar II, desaparecida com parte da tripulação.

Dois naufrágios do século 19 são encontrados nas buscas pelo voo MH370

Imagens de sidescan do Oceano Índico mostraram a existência das embarcações, porém, nenhum sinal do avião da Malaysia Airlines.

Projeto Pandora

Mergulhadores realizam expedição e encontram naufrágio em águas profundas no Rio de Janeiro.