Entrevista: Kelen Luciana Leite

Qual a importância da criação do Parque Nacional Marinho de Alcatrazes ?
O Parque Nacional Marinho Arquipélago dos Alcatrazes está sendo proposto pelo enorme potencial do Arquipélago de Alcatrazes e da Ilha de Palmas em Ubatuba, para o mergulho e a observação de aves e mamíferos marinhos, atividades que permitem uma interação do visitante com o meio ambiente com um baixo impacto, criando uma consciência para a conservação através do despertar do sentimento de pertencimento e integração com o ambiente, que é um patrimônio natural de todos.

O Arquipélago de Alcatrazes possui águas de alta transparência, se equiparando em qualidade, aos principais pontos de mergulho do país, com profundidades médias de 30m chegando a 60m em alguns pontos, tendo a face oeste da ilha principal abrigada o ano todo de corrente e ventos, possibilitando condições de operação e ancoragem em dias de mar mais agitado. Já foram catalogadas no arquipélago 150 espécies de peixes, que podem ser observadas em grandes cardumes, junto com a maior concentração de indivíduos juvenis de tartarugas marinhas do litoral de São Paulo, segundo o TAMAR.

Pela fartura de alimento é comum observar nas águas de Alcatrazes mamíferos marinhos como o Golfinho Pintado do Atlântico e a baleia de Bryde. A ilha principal abriga o maior ninhal de aves marinhas do sudeste, com predominância de fragatas

Conte um pouco da história de Alcatrazes sob o ponto de vista das operações de mergulho.
Alcatrazes chegou a operar mergulho nas décadas de  80 e 90, com a formação de 3.500 mergulhadores. As operações cessaram com a criação da área delta de segurança da Marinha do Brasil, que impediu a navegação e ancoragem na área do Arquipélago de Alcatrazes. Segundo operadores de mergulho de Ubatuba, a Ilha de Palmas apresenta as melhores condições de mergulho do município.

Explique um pouco sobre a importância da Consulta Pública que vai acontecer no dia 30/03/2011 ?
A consulta pública é o passo mais importante do processo, no qual o projeto é exposto a sociedade para pronunciamentos. Se o projeto tiver mais posições contras do que a favor no dia da consulta, dificulta o seu prosseguimento e aprovação no congresso.

De que maneira os institutos de pesquisas marinhas, ONG´s e todos os envolvidos com a proteção da vida marinha terão a ganhar com o SIM ?
A criação do Parque prevê uma área que permita a sustentabilidade ambiental e proteção das espécies em um território contínuo no Arquipélago de Alcatrazes, o que hoje não ocorre com as áreas da Estação Ecológica que são altamente fragmentadas e descontínuas comprometendo a conservação de espécies principalmente marinhas.

O Parque também prevê a inclusão de parte da ilha principal do Arquipélago de Alcatrazes nos seus limites, possibilitando a proteção do ninhal e de espécies terrestres ameaçadas e endêmicas. A ilha principal não está atualmente dentro dos limites da Estação Ecológica.

Foto: Clécio Mayrink
Foto: Clécio Mayrink

De que maneira a atividade de mergulho poderá se beneficiar com o SIM ?
Com a criação do Parque os mergulhadores terão, próximo de São Paulo, um local efetivamente preservado, aberto ao mergulho com águas transparentes e marcante presença de vida marinha para ser contemplado e preservado para as futuras gerações.

Como os vários agentes da atividade de mergulho podem ajudar ?
Neste momento, a melhor maneira de contribuir para a criação do Parque é comparecer à consulta pública e apoiar o projeto, mostrando a importância do mesmo para a atividade do mergulho no Brasil.

Qual a relação entre o que o turismo da região, do Estado de São Paulo e do Brasil com a criação do Parque ?
Se criado, o Parque será o primeiro Parque Nacional Marinho do Sudeste, próximo ao principal mercado consumidor de turismo do país, que é São Paulo.

No contexto do turismo internacional, estamos nos aproximando da Copa do Mundo e Olimpíadas, cenários ideais para divulgação internacional das belezas naturais do país, inclusive com grande aporte de recursos para investimento em esoterismo.

Alcatrazes: O que muda ?

  Estação Ecológica Tupinambás
(Criada em 1987 e vigente hoje)
Parque Nacional Marinho do Arquipélago
dos Alcatrazes
(Proposta de alteração)
Área Ubatuba: Ilhas de Palmas, Cabras, Ilhote das Palmas E Laje do Forno, todos com área marinha de 1 km de raio a partir da rebentação;

Alcatrazes: Seis formações rochosas ao redor da Ilha de Alcatrazes todas com área marinha de 1 km de raio a partir da rebentação.

Ubatuba: Permanece a mesma área da atual Estação Ecológica.

Alcatrazes: Aumento de área para abranger parte da Ilha de Alcatrazes, que atualmente não é Estação Ecológica (local do ninhal e espécies endêmicas e ameaçadas) e tornar a área contínua ao redor da Ilha Principal.

Zoneamento SIM, após o plano de manejo SIM, após o plano de manejo
Plano de Manejo SIM SIM
Ancoragem NÃO SIM, em áreas determinadas no plano de manejo
Navegação NÃO SIM
Visitação NÃO SIM, em áreas determinadas pelo plano de manejo
Normas de Visitação NÃO há visitação. Normas de visitação a serem estabelecidas no plano de manejo (locais, períodos, capacidade de suporte, atividades permitidas, etc…).
Benefícios Regionais Conservação da biodiversidade (berçário natural). Conservação da biodiversidade; geração de empregos e renda; reconhecimento e divulgação nacional e internacional da região; aumento da conservação do Arquipélago de Alcatrazes, com destaque à área onde se encontram as espécies ameaçadas e o ninhal; aumento da possibilidade de interação do visitante com o ambiente; maior aporte de recursos para a gestão da UC; criação de um novo atrativo turístico para o litoral norte.
Pesquisas Científicas SIM SIM
Educação Ambiental Palestras, informativos e reuniões com a comunidade. Palestras, informativos, reuniões com a comunidade e atividades de campo no local do Parque possibilitando uma maior interação e melhores resultados na efetividade dos Programas de educação ambiental.
Fiscalização SIM SIM
Treinamentos Militares
da Marinha do Brasil
Realizados atualmente fora da área da Estação Ecológica no Arquipélago de Alcatrazes, com um ou dois exercícios por ano durante 3 dias por exercício. Serão realizados fora da área do Parque Nacional Marinho, no Arquipélago de Alcatrazes, com um ou dois exercícios por ano durante 3 dias por exercício.

A consulta pública foi será realizada no dia 30 de março de 2011, às 18h no Teatro Municipal de São Sebastião-SP, localizado à Avenida Dr. Altino Arantes, 2.

Colaboração: Alfredo Andreoli e Adair Ribeiro

Assista ao vídeo sobre a I Consulta Pública de Recategorização de Alcatrazes:

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.