Mercado de Mergulho: Erros e problemas

Foto: Clécio Mayrink

Nesses quase 25 anos de mercado, já vi muita coisa acontecer no mercado profissional de mergulho, mas nos últimos anos, a coisa anda rumando para um destino ruim e maléfico aos mergulhadores brasileiros, pois se a coisa continuar como anda, não teremos com quem comprar equipamentos, suporte e muito menos embarcações voltadas ao mergulho no Brasil.

O Brasil Mergulho existe há 15 anos, e nesses últimos anos, nossa equipe vêm percebendo uma diminuição quanto ao número de escolas, lojas e operadoras de mergulho em todo o Brasil. É perceptível a decepção de muitos profissionais com o mercado desse magnífico esporte.

Encontramos diversos problemas que levam a uma queda de lucro nas empresas e queda no rendimento dos profissionais.

Manter uma estrutura voltada para esta atividade, requer investimento, treinamento e uma excelente administração para manter o negócio ativo e funcionando. Se o negócio é mal administrado, não levará dois anos para a sua extinção.

As estatísticas comprovam que se um estabelecimento estiver com o rendimento baixo, ele não conseguirá ultrapassar os dois anos de funcionamento.

Contrário ao que muitos dizem e vendem a idéia, não basta obter todas as certificações de mergulho existentes, é necessário principalmente, conhecimento em administração de empresas e marketing para que o negócio evolua.

Vejo com frequência alguns poucos profissionais vendendo um produto ou curso de mergulho, com uma margem de lucro insignificante, e que certamente não dará a ele o retorno necessário para manter o negócio ativo.

Essas pessoas precisam enxergar o mergulho como um esporte e não como um “favor” a um cliente. Não é uma atividade simples, pelo contrário, é extremamente complexa e uma atividade de classe média alta. Não adianta querer popularizar uma atividade, onde esta, requer a utilização de equipamentos caros e saídas de barco. Isso não existe, é irreal e vai totalmente contra todas as possibilidades.

É preciso ter em mente que o esporte “mergulho”, infelizmente não é pra todos, e é preciso cobrar para ter lucro, e para que se possa manter o negócio e o esporte ativo no Brasil.

Vejamos alguns problemas alarmantes hoje do mercado…

Erros no processo de venda em uma loja

Quando falo em vender corretamente, me refiro ao processo de venda no balcão das lojas.

Inúmeras vezes enquanto visito uma loja de equipamentos de mergulho, é visível que alguns vendedores não detém o conhecimento necessário para atuar como vendedor de equipamentos ou de cursos.

Vender é uma arte, e saber o que está vendendo é primordial.

Diversas vezes presenciei gente vendendo algo que não conhecia tecnicamente e o poder de persuasão era inexistente, deixando o cliente ir embora sem levar nada, simplesmente pela falta de conhecimento do produto ou por não saber repassar as informações técnicas do produto ao interessado. Isso é imperdoável para quem pretende ser um lojista.

Quando um cliente chega em um estabelecimento, deseja o melhor, quer saber como funciona e deseja ter a segurança de que está comprando um excelente equipamento, e que irá lhe prover segurança em seus mergulhos.

Turismo

O problema não acaba só com os equipamentos de mergulho, mas envolve o turismo também.

Recentemente duas empresa muito conhecidas no ramo de turismo de mergulho, vieram à falência. Uma delas teve seu endereço transferido para um terreno baldio, para que seus responsáveis não fossem encontrados por oficiais de justiça que desejam intimá-los, e responderem na justiça, por dívidas que ultrapassam R$ 3 milhões em passagens e pacotes de viagens vendidos e não usufruídos pelos clientes. Hoje um deles é procurado pela polícia para responder no civil e criminalmente, e encontra-se foragido.

Agora o pior, é que um dos proprietários dessas empresas abriu uma nova empresa em nome de terceiros, continua a atuar no mercado e tenho visto algumas poucas lojas de mergulho utilizando os serviços de turismo dessa pessoa.

Infelizmente, hoje só temos duas reconhecidas empresas de turismo que são consideradas sérias e honestas. Uma empresa que venha contratar os serviços de turismo de uma agência / operadora, deve se precaver e checar antes, toda a documentação de quem venderá a você, os serviços de pacotes turísticos, para que você não tenha a possibilidade de um grande prejuízo futuro, como foi o que aconteceu recentemente.

Veja quem são os proprietários e se os mesmos são realmente proprietários da agência / operadora de turismo. Consulte o cadastro na Junta Comercial, verifique se há ações judiciais em andamento, situação fiscal e cadastro junto à Secretaria de Estado de Fazenda e Receita Federal.

Esses procedimentos básicos podem ajudá-lo a não cair em uma cilada.

Talvez esse artigo seja um desabafo ? Sim, é um desabafo, pois não concordo que empresas maléficas continuem atuando no mercado, como se ninguém soubesse de nada.

O que eu realmente gostaria de conseguir, é fazer com que o mercado pare e repense na forma de como as coisas andam acontecendo, onde alguns “picaretas” tentam “se dar bem” e trabalhando de forma desonesta, enquanto que a grande maioria chega cedo em suas empresas, acreditando ser apenas mais um dia de trabalho e que as coisas vão melhorar.

Sem atitude, não há como melhorar.

Clecio Mayrink

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount).

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou como consultor para a ONU, UNESCO, Segurança Pública, além de diversos órgãos públicos no Brasil.