Mergulho, naufrágio e corais em Playa del Carmen

Foto: Clécio Mayrink

Havia visitado Playa del Carmen antes e fui convidado para conhecer novas estruturas da cidade, bem como seus mergulhos.

A cidade em si lembra muito a cidade de Búzios, uma cidade no litoral norte do estado do Rio de Janeiro. A cidade de “Playa”, como é chamada pelos locais, possui uma rua principal chamada 5ª Avenida, sendo uma rua paralela à praia e com um extenso comércio para tudo quanto é gosto e bolso. Inúmeras lojas com souvenirs, roupas, restaurantes, jóias e dois shoppings.

Banhada com as águas azuis e quentes do Caribe, Playa del Carmen é um dos destinos preferidos pelos americanos, tanto, que no verão deles, uma boa parte passa as férias nessa região do México, que é quente o ano inteiro.

A região de Playa vem se destacando pela variedade do comércio local e por estar mais próxima das principais atividades reservada aos turistas, como os parques Xplor, Xel-Ha, Xcaret, além das ruínas e praias de Tulum, por exemplo. A pirâmide de Chichén Itzá, berço da civilização dos maias, pode ser facilmente alcançada em menos de 3h de viagem.

Foto: Clécio Mayrink

Mergulhos

Em Playa del Carmen há várias operadoras de mergulho e a escolhida foi a Phanton Divers, uma operadora já conhecida por muitos brasileiros. Tive um contato prévio via web com algumas trocas de e-mails e a comunicação foi tranquila. Solicitaram um depósito parcial via PayPal para manter a vaga reservada para o dia desejado e foi tudo tranquilo.

A saída estava agendada para às 08:30h e procuramos chegar um pouco mais cedo. Feito o check-in e o pagamento do que ainda restava, foram disponibilizado os armários com cadeados para que deixássemos a roupa e objetos secos. Em seguida saímos equipados e caminhamos da operadora e até a praia, onde a embarcação nos aguardava. Uma breve caminhada de uns 100m, onde estavam os cilindros e lastro.

Após algumas orientações sobre como seria a operação, navegamos 15min até o ponto de mergulho, o naufrágio “Barco Hundido”. Água quente, visibilidade de 30/40m, com uma fraca corrente, alcançamos o naufrágio sem problemas. Com profundidade máxima de 26m e 36min de fundo, nosso guia fazia seu papel de guiar o grupo e estar atento aos mergulhadores, dando todo o suporte e atenção necessários.

Retornamos para a embarcação e seguimos para o outro ponto… Sabalos. Devido à baixa profundidade, algo em torno dos 12m, tivemos um curto intervalo de superfície. O local possui uma belíssima formação de corais e inúmeros agrupamentos de peixes das mais variadas espécies. Um lindo cenário para fotos.

Ao mesmo tempo em que íamos nadando pela lateral das formações coralíneas, em alguns momentos, realizávamos “travessias” entre essas formações, e em alguns momentos, éramos levados pela fraca corrente, tornando o mergulho um leve drift dive.

Foi um mergulho extremamente relaxante e maravilhoso, pois a vida marinha local é abundante, com os animais se aproximando dos mergulhadores.

Após 40min de mergulho retornamos para a embarcação e regressamos até a praia em apenas 15min de navegação. Ao chegar em terra, retornamos até a operadora para lavar os equipamentos e tomar uma boa ducha de água doce.

A região de Playa possui alguns pontos de mergulho com os Bull Sharks, o famoso tubarão touro. São mergulhos de alimentação onde o mergulhador consegue apreciar o animal bem de perto.

Foto: Clécio Mayrink

Dicas

A cidade de Playa del Carmen está a 50Km de distância do aeroporto de Cancun. De carro é alcançada em 30min ou em 50min usando um dos ônibus da empresa ADO. Uma empresa de grande porte no México e com ônibus muito confortáveis, novos e de primeira linha, saindo a cada 20/30min, sendo um excelente meio de transporte por lá. O bilhete custa algo em torno dos US$ 10 por pessoa.

Na cidade há hotéis para todos os gostos e bolsos, e a recomendação principal é: Não fique próximo da 5ª Avenida, pois o ruído noturno é grande e você pode ter problemas para dormir. Nessa oportunidade conhecemos o hotel The One, e a melhor descrição para ele seria a que escutei de um brasileiro… é o “Ibis” do México. O hotel é novo e está localizado a poucas quadras da 5ª Avenida, além de estar logo atrás da rodoviária principal da cidade. Você chega de ônibus e só atravessa a rua.

Outra dica importante é “negocie”. Sempre que você for fechar algum pacote ou comprar algo, chore, chore e dependendo do que desejar, até fingir que vai embora vale. Você verá que os descontos podem chegar até incríveis 70%.

Não só em Playa como em várias outras praias da região, existe o problema do sargaço, um tipo de alga que se desprende e vai parar nas praias, sendo normalmente encontrada pela manhã na areia. Diariamente várias equipes realizam a remoção dessas algas das praias, mas se você quiser chegar cedo, talvez a recomendação seja visitar as praias de Tulum, que são paradisíacas e não sofrem tanto com o problema dos sargaços.

Para mergulhar, utilizamos a estrutura da Phanton Divers (www.phantondivers.com), onde o custo da saída sai em torno dos US$ 70 já com cilindro e lastro incluso. Eles possuem uma excelente estrutura, equipamentos para aluguel e realizam mergulhos em outros locais como Cozumel e nos Cenotes.

Clecio Mayrink
Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em 1987 pela CMAS e realizou Dive Master em 1990 pela PADI. Hoje é mergulhador Técnico Trimix (Mergulho Profundo) e de cavernas (Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount). É juiz internacional de apneia pela AIDA e foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008. Produziu documentários sobre as Bahamas, Bonaire, Galápagos e Laje de Santos, visitando mais de 30 países. Foi o idealizador do site Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP), atuou como consultor para a ONU, UNESCO, além de diversos órgãos públicos no Brasil.