Cuidados especiais com a Caixa Estanque

Algum tempo atrás estava conversando com um amigo sobre alagamento de caixas estanques, e lembrei que em 1998 enquanto estava entrando na Caverna da Sapata em Fernando de Noronha, num determinado momento me dei conta de um pequeno “riacho” que saía do o-ring da tampa traseira da minha caixa estanque. Esse “riacho” seguia até o meio da caixa.

Por falta de conhecimento na época, demorei pra entender o que estava acontecendo, por era a minha primeira caixa estanque e que havia sido adquirida uma semana antes, então, tudo era novidade…

Quando me dei conta que esse pequeno “riacho” era água entrando na caixa, a virei de forma que, o domo ficasse para baixo e nadei correndo em direção à superfície, pois estava no início do mergulho. Como usava uma lente grande angular e a caixa possuía uma extensão para frente, me veio à cabeça que virando a câmera para baixo, o nível da água iria demorar para alcançar a câmera, pois teria que preencher o espaço da lente grande angular até alcançar a câmera, e assim, teria mais tempo para tentar salvá-la, e deu certo !

Rapidamente pedi ajuda ao pessoal na embarcação, pedindo também, pra manter a caixa virada com o “domo” para baixo, deixando a água somente no domo.

Mais um minuto e tudo teria ido embora.

Isso aconteceu em razão de um minúsculo grão de areia que havia ficado entre o o-ring e o berço, devido a minha preguiça em não querer limpar e lavar a caixa todos os dias após os mergulhos, por causa da correria todos os dias.

Depois desse “acorda Clécio”, nunca mais….  atenção total, pois toda limpeza nunca é demais, e aprendi na prática as consequências.

Vejamos alguns pontos…

Na embarcação

Antes de maia nada, não quero dizer que que sou o dono da razão, mas a experiência nos ensina bastante, então, vamos lá…

Particularmente sou contra deixar a câmera, seja ela de vídeo ou foto, nos baldes de água “doce” durante a navegação ou entre um mergulho e outro. A água nunca é limpa e após o mergulho, ela passará a ter mais salinidade por causa da água que chega junto com a câmera e principalmente do interior dos braços articulados, que normalmente acabam retendo muita água salgada.

Além disso, há sempre aqueles “bak’s” (pancadas) entre as câmeras e o recipiente, ou entre as próprias câmeras. Os equipamentos podem ficar se debatendo entre eles, possibilitando que alguma lente fique arranhada, e se isso ocorrer, será um transtorno, pois será preciso ver se é possível recuperar a lente através de polimento, caso seja de acrílico. Se for de vidro, esqueça. Só comprando outro.

Retornando do mergulho, lave com água doce. Sendo possível, pegue uma toalha, molhe e envolva na caixa, deixando-a à sombra. Isso permitirá equalizar a temperatura da caixa com o ar e diminui as chances de embaçar o interior da mesma.

Pelo sob o o-ring - Foto: Clécio Mayrink
Pelo sob o o-ring – Foto: Clécio Mayrink

Evite ficar muito tempo boiando na superfície

Outro ponto importante e que poucos se atentam ou sequer sabem… a falta de pressão no o-ring quando estamos na superfície.

Na superfície o mergulhador está mais apto a ter problemas com a vedação da caixa estanque do que no mergulho propriamente dito. Enquanto estamos na superfície, não há pressão superior atuando no o-ring (com exceção das travas), sendo possível em raras exceções, a entrada de pequenas gotas no interior da caixa sem que o mergulhador perceba. Além disso, pode haver um acúmulo de sal, o que é perigoso.

Contrário ao que muitos pensam, as travas da tampa traseira servem apenas para manter a tampa realizando o “esmagamento” do o-ring traseiro, para que este mantenha a vedação entre o intervalo de superfície e os primeiros metros durante a descida. Se o mergulhador soltar as travas embaixo d’água à partir de uma certa profundidade, é impossível remover a tampa traseira. A própria pressão da água fará com que a tampa fique fixada e não solte. Embaixo d’água as travas não possuem função alguma.

Sol

Fique longe dele para que não ocorram problemas com umidade e pressão no interior da caixa.

O choque de temperatura da caixa estanque contra a da água, seja ela salgada ou doce, pode acarretar em condensação, criando uma “neblina” na lente da câmera e da caixa, impossibilitando a captação de imagens.

Quanto à variação de pressão interna, isso é difícil de ocorrer, mas é possível que haja um “micro deslocamento” do o-ring dependendo do formato e do berço. Com o calor do sol sob a caixa, haverá um aumento da pressão no interior dela. Essa variação pode ser mínima, mas todo cuidado é pouco.

Oring

Lubrificação de o-ring´s

Muitos afirmam que o uso de silicone é recomendável, mas é preciso tomar cuidado.

Conversando com um especialista na área, essa coisa de “lubrificar” o-ring tem aspectos contraditórios e que geram riscos.

O correto é trocá-lo de tempos em tempos. A lubrificação só contribui para que pelos e grãos se aderem à massa do silicone, que pode parecer pouca, mas pode acarretar em problemas.

Outro aspecto, é que muitas caixas utilizam o-ring de silicone, logo, usar silicone com intuito de lubrificar não faz o menor sentido, porque não existe lubrificação de silicone no silicone. O-ring de borracha sim, ficam mais úmidos após uma lubrificação de silicone e estende o tempo de vida útil, mas o o-ring de silicone não… ele simplesmente racha.

Porque vira e mexe escutamos que um mergulhador teve seu equipamento inundado ?

Na maioria das vezes a causa tem como origem o pelo ou grão no o-ring, que passou despercebido, ou então, a falta de manutenção do equipamento. O duro é que todos estão à mercê disso, sendo uma coisa complicada mesmo, pois mesmo com toda a atenção, às vezes fica alguma coisa passa sem ser visto.

Remova os pelos ou grãos utilizando um paninho.
Remova os pelos ou grãos utilizando um paninho.

Com o tempo e em razão do contato com o sal, sol e calor, micro rachaduras podem aparecer no o-ring. Um exemplo disso em escala maior, são as rachaduras nas mangueiras dos reguladores. Se você não torcer bem a mangueira, é complicado encontrar essas rachaduras, imagine em um o-ring de caixa estanque que é bem menor…

A melhor solução para as caixas estanques, seriam caixas com botões de comando nos punhos, o que diminuiria muito as chances de alagamento da caixa estanque pelos botões de comando.

Algum tempo atrás um fabricante chegou a lançar uma caixa com essa característica, onde os botões na empunhadura enviavam os comandos para a câmera através de infravermelho, utilizando o próprio acrílico da caixa para enviar o sinal. Funcionava bem mesmo estando embaixo d’água.

Mas enquanto não temos uma solução melhor e continuamos com essas dezenas de o-ring em nossas caixas, o melhor a fazer é tomar todo o cuidado com o equipamento.

Dê preferência em deixar seu equipamento em cima de algum tecido (casaco, bolsa ou toalha), de forma que eles se ajustem conforme o peso e contorno.

Pino do disparador normalmente encontrado nas caixas da Ikelite.
Pino do disparador normalmente encontrado nas caixas da Ikelite.

Botão de disparo das Caixas Ikelite X Alagamento

Resolvi acrescentar mais esse último tópico em razão de um problema nos botões de disparo das caixas Ikelite, pois muitos já passaram por esse problema e o fabricante parece não se preocupar com essa falha de projeto.

Estava em Recife em 2009, onde tive a oportunidade de conhecer o pessoal muito bacana da produtora Dolphin Eye. Durante as saídas de mergulho, infelizmente ocorreu um alagamento de uma das caixas estanques utilizadas por eles, e chegou-se à conclusão, que devido à um problema no projeto, as caixas da Ikelite podem facilitar um alagamento.

Basicamente, diversos botões de disparo feitos pela Ikelite, possui um pino que ajuda no disparo feito pelo mergulhador, o problema, é que esse pino não é colocado por fixação (soldagem / colagem), mas por rosqueamento. Com o tempo, esse pino se desenrosca e repentinamente solta durante o mergulho, a água entra por essa rosca até alcançar os interior da caixa, alagando a mesma por completo.

Se você possui ou cogita comprar uma caixa dessas, esteja sempre atento a este pino do disparador, pois ele jamais poderá se soltar durante o mergulho.

Antes de mergulhar, verifique antes se o pino está rosqueado até o final, ou talvez, dê um pingo de cola Araldite Profissional para tentar dificultar que ele venha a sair durante o mergulho e você perca seu equipamento.

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986 pela CMAS, participando da primeira turma da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount IANTD, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho, fotografia e vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, sendo o idealizador do portal Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP) e responsável pelo tema Mergulho no 1° Atlas dos Esportes do Ministérios dos Esportes.

Atuou na produção de diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência para a mídia, órgãos públicos no país e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO, quando o assunto é mergulho em naufrágio.

Veja também:

Teste de Caixa Estanque e Equipamentos em Câmara Hiperbárica

Utilizando uma pequena câmara hiperbárica especialmente fabricada para a finalidade, é possível testar equipamentos sem mergulhar.

O-Ring na Caixa Estanque – Atenção para não perder o equipamento

Os o-ring's são itens essenciais e extremamente importantes, mas é preciso ter muita atenção para não ter problemas por causa de um simples alagamento.

Caixas Estanques Acrílicas – Manutenção ainda mais frequente

Diferentemente das caixas fabricadas em alumínio, as caixas em acrílico necessitam de manutenção mais frequente. Saiba mais...

Alça de Segurança para Caixa Estanque

Esse tipo de acessório vai facilitar a entrega do seu equipamento na água e principalmente ao retornar para a embarcação depois do mergulho. Saiba mais...