A fotografia subaquática é cativante não apenas pelo mundo que revela, mas também para a qualidade particular de suas cores. Com tons de azul e verde, o tom sombrio das fotos tiradas debaixo d’água pode ser fascinante, mas como seria a vida lá embaixo se pudéssemos enxergar com as cores reais e sem o uso do filtro ?

Graças aos pesquisadores do MIT e da Universidade de Haifa, o ambiente subaquático pode ser visto com a mesma cor que temos acima do solo.

Os engenheiros estão revolucionando as imagens subaquáticas e o nome da nova tecnologia chama-se Sea-Thru, que utiliza um algoritmo para que recupera as cores que normalmente são perdidas.

Por que isso é tão importante ?

Se você já tentou tirar uma fotografia com uma câmera subaquática, já viu o quanto é difícil obter uma imagem com as cores reais. A maneira como a luz é absorvida na água e se espalha, interfere diretamente no ambiente, causando imagens escuras e com excesso de tons de azul.

Para os cientistas, isso pode dificultar a distinção dos diferentes tipos de espécies presentes em um quadro estático, tornando seu trabalho mais demorado.

O Sea-Thru é inovador, pois remove o tom de cor e a retroespalhamento que causam esses problemas. O que é gerado é uma imagem nítida e colorida, mais parecida com uma foto de paisagem tradicional.

As imagens publicadas em uma amostra no estudo dos pesquisadores falam por si. Fotografias surpreendentemente azuis são subitamente preenchidas com tons diferentes e a vida subaquática ganha novo significado.

A engenheira e oceanógrafa Derya Akkaynak e sua orientadora de pós-doutorado, a engenheira Tali Treibitz, passaram quatro anos trabalhando para melhorar o programa. Isso significava que Akkaynak passava muito tempo debaixo d’água, tirando fotografias para treinar o programa, chegando a tirar mais de 1.000 imagens em dois ambientes diferentes de água, colocando uma cartela de cores em cada fotografia. Essas figuras ensinaram o programa a compensar como a luz é dispersa e absorvida na água.

Enquanto a tecnologia ainda é nova, já há rumores sobre isso na comunidade científica. Ao contrário quanto ao uso do Photoshop, que simplesmente aumenta os vermelhos e amarelos para compensar o diferencial de cores, o Sea-Thru se concentra na precisão da vida real.

“O que eu gosto nessa abordagem é que ela realmente é obter cores verdadeiras”, diz Pim Bongaerts, biólogo de coral da Academia de Ciências da Califórnia. “Obter cores verdadeiras pode realmente nos ajudar a obter muito mais valor em nossos conjuntos de dados atuais”.

Por:

Redação

Se você possui algum conteúdo relacionado ao mergulho e acha que pode ser interessante dividir com outros mergulhadores ?

Clique aqui para entrar em contato conosco e enviar o conteúdo a principal revista eletrônica sobre mergulho do Brasil.