Já pensou visitar um local onde não é necessário pegar barco para mergulhar e ao mesmo tempo, conseguir realizar um churrasco e se divertir com a família ?

Um desses lugares chama-se Ginnie Springs, na Flórida.

O local é uma propriedade particular com alguns springs… saídas de água doce oriundas das chuvas, que brotam do chão e desembocam em um rio. No caso de Ginnie Springs, alguns desses springs são cavernas e as principais são Devil’s Eye e Devil’s Ears.

Quem não for mergulhar nas cavernas, pode passar o dia realizando mergulho recreativo nas áreas abertas, andando de kaiak, fazendo churrasco ou brincando com enormes boias que podem ser alugadas por lá.

Mergulho

Ginnie Springs está dentro de um parque particular e segundo o Emerson Covisi, um brasileiro residente em Orlando e que conhece Ginnie como poucos, o recomendável é chegar assim que o parque abrir, pois assim, consegue-se pegar os melhores bancos para a montagem dos equipamentos.

O parque abre às 8h o ano inteiro, fechando mais cedo durante o inverno. Antes de ir mergulhar por lá, é recomendável verificar as condições, pois em algumas épocas do ano ocorrem grandes inundações na região devido ao excesso de chuvas, deixando o mergulho impraticável.

Após o DEMA 2017, fui juntamente com o instrutor de mergulho Vagner Marretti da Scuba Repair e sua esposa Vanessa Natsue, mergulhar em Ginnie Springs com o Emerson nos guiando.

O volume de saída de água não estava tão forte e foi possível entrar na caverna com certa facilidade, mesmo portando minha caixa estanque com DSLR e dois flashes.

Entramos por Devil’s Eye e passando logo pela restrição inicial, alguns metros depois o conduto alarga um pouco e seguimos em frente aos poucos, o fluxo de água que sai da caverna.

É impressionante o visual que se tem do ambiente, e sempre fico imaginando há quantos milhares de anos isso existe e como foram os primeiros mergulhos de exploração por lá.

Se você pensa em conhecer Ginnie, uma boa recomendação é levar um stage com O2 para uma deco na saída, pois os mergulhos são mais profundos que as cavernas no México e chega-se facilmente aos 30m de profundidade.

Após o mergulho, é possível tomar um bom banho quente nos enormes banheiros do parque, e quem sabe, fazer até um churrasco com os amigos e familiares para terminar o dia.

Dicas

Como Ginnie está em uma propriedade particular, você consegue obter todas as informações necessárias de como chegar e executar os mergulhos acessando o site oficial do parque, através do endereço ginniespringsoutdoors.com

Ficam meus agradecimentos por toda gentileza, apoio e mergulhos ao Emerson Covisi e família, além da dupla Vanessa e Vagner, por integrarem a equipe na viagem e nos mergulhos.

Galeria de Imagens – Clique na imagem abaixo

Ginnie Springs 2017 – Fotos: Clécio Mayrink / Google Photos

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986, participando da primeira turma de Dive Master da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho e fotografia / vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS, em 2008, é o idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência quando o assunto é mergulho e naufrágios para a mídia e órgãos públicos no país, e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO.