GoPro: Recuperando sua câmera mais facilmente

Nome escrito por dentro da caixa - Foto: Clécio Mayrink

Hoje vemos muitos mergulhadores usando câmeras GoPro para tirar fotos ou fazendo vídeos durante seus mergulhos, pois como todos sabem, é uma câmera prática, pequena e com um custo relativamente baixo.

Quando a grande maioria sai para mergulhar e acaba não se preocupando, é com a possibilidade de perda dessa câmera, devido ao seu tamanho reduzido.

Aumentando as chances de recuperação

Nesse último final de semana tive o prazer de poder mergulhar na Laje de Santos com a operadora Orion Diver de São Vicente-SP, e durante o mergulho, acabei encontrando uma GoPro com um pau de selfie da própria marca, caído entre as pedras.

Regressando para a embarcação, algum tempo depois tomei conhecimento que uma mergulhadora de outra embarcação, havia perdido uma GoPro com as mesmas características, onde posteriormente, confirmamos que a câmera encontrada era mesmo dela.

O reencontro com um equipamento perdido como a GoPro pode ser facilitado com a colocação do nome do proprietário(a) no equipamento, seja através do uso de uma caneta de marcação ou com alguma etiqueta.

Havendo simplesmente as iniciais do nome do mergulhador no equipamento, já ajuda bastante na identificação do mesmo, facilitando a devolução do equipamento perdido.

Outra forma ainda melhor e já mencionada anteriormente em um artigo escrito por mim, é a inserção de um arquivo texto (.txt ou .doc) com todos os dados de contato do proprietário no cartão de memória, tomando cuidado, logicamente, de não formatar o cartão de memória com todos os arquivos gravados posteriormente.

Uma vez que o mergulhador perca sua câmera GoPro, ele poderá ser identificado e localizado através dos dados contidos neste arquivo texto presente no cartão de memória.

Independente da sua câmera ser uma GoPro ou não, procure identificar seus equipamentos.

Exemplo de um arquivo texto gravado no cartão de memória da câmera.
Por:
Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983, no autônomo em 1986 e Dive Master em 1990. Hoje é mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS, em 2008, é o idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior. Também prestou consultoria para a ONU, UNESCO e diversos órgãos públicos no Brasil.