Hans Hass – Um dos pioneiros das primeiras imagens subaquáticas

Nascido em Viena, na Áustria, ele foi um biólogo e pioneiro em mergulho subaquático. Era conhecido principalmente por estar entre os primeiros cientistas a popularizar os recifes de corais, arraias e tubarões. Ele foi pioneiro na produção de documentários filmados debaixo d’água e liderou o desenvolvimento de um tipo de rebreather.

Também era conhecido também por sua teoria energética (Sistema de bomba de calor) e seu compromisso com a proteção do meio ambiente.

Seu pai era um advogado e Hass inicialmente buscava a lei, mas acabou tendo um encontro com o mergulhador americano Guy Gilpatric durante um feriado na Riviera em 1938, onde acabou conhecendo o mundo subaquático.

Após realizar algumas expedições ao mar do Caribe entre 1938 e 1939 e escrever seus primeiros artigos profissionais, em 1940, Hass trocou a lei por estudos de zoologia e se tornou Ph.D. na Universidade de Berlim em 1943. Sua tese foi a primeira pesquisa científica usando um rebreather feito para ele pelos fabricantes alemães de equipamentos de mergulho Dräger. Ele tinha esses conjuntos feitos com a bolsa respiratória nas costas, pois não gostava do olhar de homem-rã . Hass e sua equipe de pesquisadores registraram mais de 2.000 mergulhos utilizando rebreathers de oxigênio entre 1942 e 1953.

Caixa Rollei Marin – Caixa estanque criada por Hans Hass

Hass publicou “Diving to Adventure”, seu primeiro livro de fotografias subaquáticas em 1939, e alguns lhe deram crédito por desenvolver uma das primeiras câmeras subaquáticas. Hass completou seu primeiro vídeo subaquático chamado Pirsch unter Wasser (Stalking under Water) em 1940, que posteriormente foi publicado pela Universum Film AG. O vídeo tinha duração de 16 minutos e foi exibido nos cinemas antes do filme principal

Após algum tempo, Hass mudou-se de Viena para Berlim em 1941 e fundou a sociedade Expedition für biologische Meereskunde (Expedição para a oceanografia biológica).

Sobre as receitas de suas centenas de palestras, Hass conseguiu comprar em 1942 o veleiro Seeteufel. Mas ele não foi capaz de usar o navio para sua expedição planejada porque o navio estava no porto de Stettin e não foi possível trazê-lo durante a guerra para o Mar Mediterrâneo.

Em 1942 alugou um navio em Pireu e navegou durante vários meses no Mar Egeu e no Mar de Creta. Durante esta expedição, ele produziu filmes e fotos debaixo d’água. Como acabou conhecendo o livro Die Raubfischer in Hellas (Os piratas pescadores na Grécia), escrito em 1939 por Werner Helwig. Hass encontrou este grupo nas proximidades de Skiathos e foi capaz de filmar sua pesca de dinamite debaixo d’água.

Na primavera e no verão de 1943, Hass permaneceu por vários meses na estação zoológica em Nápoles e Capri para estudar e coletar Bryozoa, animais invertebrados aquáticos, para sua tese de doutorado em zoologia. Em fevereiro de 1944 completou a tese e se tornou doutor em ciências.

Até o final da guerra, Hass viveu e trabalhou nos estúdios de cinema da Universum Film AG em Babelsberg, perto de Berlim, para cortar e terminar seu filme sobre a expedição no Mar Egeu. Este filme subaquático de 84 minutos, Menschen unter Haien (Homens entre tubarões), foi lançado em 1947. Ele mostra a vida marinha, incluindo budião, água-viva, esponjas, anêmonas e raias. Os destaques são a pesca com dinamite e a interação de mergulhadores com tubarões.

Em 1947, seu filme Menschen unter Haien teve sua estreia mundial em Zurique, e seu livro mais popular com um título muito similar foi lançado em 1948. Como consequência, ele conseguiu contratos com Herzog-Film (Munique) e Sascha-Film (Viena) e posteriormente fez suas primeiras expedições com o novo navio de pesquisa chamado Xarifa, financiado principalmente pelos safaris fotográficos no Mar Vermelho e pela BBC.

Hass produziu 105 filmes comerciais, sendo vários deles com ele e sua segunda esposa e em 1951, o filme de Hass, “Sob o Mar Vermelho”, foi premiado com o primeiro prêmio no Festival de Veneza.

Depois de expedições na África Oriental e no Sul da Ásia, sua primeira série de TV foi desenvolvida em 1959, e em 1961 sobre criaturas fora da água.

Na década de 1970, ele abordou temas ambientais e comerciais e foi nomeado para um cargo de professor pela Universidade de Viena. Em 1983, ele iniciou estudos de longo prazo e tutoriais sobre instintos predatórios na profissão.

Ele também reconheceu uma rivalidade com o francês Jacques Cousteau, e de acordo com o obituário do New York Times, Hass disse ao historiador Tim Ecott que “Para Cousteau só existe Cousteau”. Ele nunca reconheceu os outros ou corrigiu a impressão de que ele não era o primeiro em mergulho ou fotografia subaquática. Hass tinha 94 anos quando morreu no dia 16 de junho de 2013 em Viena.

Por:
Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983, no autônomo em 1986 e Dive Master em 1990. Hoje é mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver e Advanced Cave Side Mount / No Mount.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS, em 2008, é o idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior. Também prestou consultoria para a ONU, UNESCO e diversos órgãos públicos no Brasil.