Mergulhando na Baixa da Cavala

Começamos a procurar destinos interessantes para mergulhos abaixo dos 50m na região de Guarapari a partir de 2017, quando implantamos a recarga de Trimix por fluxo contínuo na Acqua Sub.

Um dos pontos que sempre ouvia falar por parte de nossa tripulação, que são dois irmãos: Cláudio e Mayko, respectivamente capitão e marinheiro, era a Baixa da Cavala.

O pai deles, que foi pescador por muitos anos, trabalhou conosco até início dos anos 2000. Ele costumava ir lá para pescar sardas cavala numa determinada época do ano juntamente com seus filhos, ficando até 3 dias fora. Mas o que mais me intrigava eram os “causos” que eles contavam de avistamento do canjerão, pseudo-orca (Pseudorca crassidens).

Calculamos a distância desta baixa em relação ao nosso ponto de embarque, como estando 26.6 milhas náuticas, pois eles acreditava que era no barranco, isto é, no talude submarino, o final da plataforma continental.

Olhando hoje a carta náutica, noto que ainda falta aproximadamente 6 milhas para o primeiro barranco de 65 aos 100m de profundidade. Local interessante para peixes de passagem ou pelágicos.

Realizamos as recargas dois dias antes e fomos bem cedo, meu mergulhador de segurança (Safety Diver) estava receoso em fazer o mergulho, pois o plano seria me encontrar aos 33m de profundidade onde faria minha primeira parada de descompressão. Ele temia encontrar algum animal que não estivesse familiarizado na descida.

Planejamos realizar dois mergulhos de 65m nas duas extremidades da baixa, parte norte e parte sul. A mistura usada para o gás de fundo foi TMx 18/25 em duplas de backmount de 15 litros e cilindros de deco de EAN25, EAN50 e O2. Neste tipo de mergulho utilizando equipamento de foto sub é aconselhável o backmount.

Depois de um longo período de navegação num mar muito calmo, parecia que estávamos navegando num azeite de água roxa, como chamamos a água muito clara, e finalmente chegamos ao local pretendido. A profundidade era menor do que nossos planos. A parte rasa tinha 55m de profundidade e a funda 62m. Tudo bem refiz os planos.

A fim de entender melhor a topografia, passamos com a sonda sobre toda a baixa. Assim, conseguimos estimar que sua área é de aproximadamente 400m² somente. Talvez por isso se mostrou um oásis no meio do oceano.

Confesso que também estava muito apreensivo para executar este mergulho, pois não imaginava o que veria pela frente, inclusive, com um sentimento de euforia pela possibilidade de vermos o “canjerão” ou outra espécie bem grande.

Foto: Ivan Costa Santos – Acqua Sub

Mergulho

Quando completei a descida foi puro êxtase, um sentimento de puro prazer e realização. Ao aterrissar num local que poucos ou ninguém teria ido antes e com aquela visibilidade que ultrapassava facilmente incríveis 40m, logo no fundo me deparei com um cenário bem incomum para a região: a parte alta era recoberta por algas pardas (Filo da Phaeophyta – feófitas), e logo no meio de uma clareira com um fundo de areia branca, uma enorme raia manteiga (Dasyatis americana ou Hypanus americanus).

Descendo para as bordas da baixa, notei uma formação de pedras com muitas rachaduras e algumas em formas de prateleira, onde a vida marinha se proliferava. O que esta área também tinha de incomum para a região, eram as algas calcárias vermelhas (Mesophyllum sp.), dando um lindo efeito quando iluminadas.

Outros animais que me chamaram a atenção foram: cardumes com mais de 30 indivíduos de jaguariçá, uns poucos indivíduos juvenis de garoupas verdadeiras, alguns bodiões, um cardume com mais de 50 indivíduos de duas espécies de donzelinhas, entre outras várias espécies.

No segundo mergulho vi um belo cardume com mais de 8 indivíduos de olhetes. Entretanto, infelizmente não vi nenhum grande animal como o “canjerão””. Talvez, felizmente para meu mergulhador de segurança, que prontamente estava aos 33m e na hora exata para me receber nos dois mergulhos. Nada melhor que uma boa equipe para execução deste tipo de mergulho.

Em breve realizaremos a exploração num ponto potencial de naufrágio da região, onde a profundidade gira em torno dos 53m e espero poder ter a oportunidade de compartilhar com vocês esta próxima experiência.

Galeria de Imagens – Clique na imagem abaixo:

Baixa da Cavala – Por: Ivan Costa Santos – Acqua Sub / Google Photos

Por:

Ivan Costa Santos

É graduado em Administração de Empresas, é instrutor de mergulho recreativo e técnico com as mais variadas especialidades, tendo um conhecimento aprofundado em Áreas Ambientais.

Proprietário da Aqua Sub, uma escola e operadora de mergulho em Vitória-ES desde 1998, já formou mais de 2.000 alunos. Também atua como mergulhador comercial, possuindo no total mais de 8.000 mergulhos realizados no Brasil e no exterior.

É Master Instructor pela PADI, Tec Trimix Instructor e EFR Instructor Trainer.

Veja também: