Mergulho e as Vacinas

Talvez muitos mergulhadores não saibam, mas existe um calendário vacinal de acordo com sua faixa etária. As pessoas, em geral, têm consciência de que uma criança precisa tomar vacinas. No entanto, poucas pessoas têm ciência das vacinas de rotina recomendadas para a população em geral.

Vacinas são importantes porque são formas de prevenção de doenças, ou seja, elas vão torná-lo imune a patógenos que em caso de contato, pode levá-lo a adoecer. E claro, sabemos que é sempre melhor prevenir do que remediar.

Estamos vivendo a pandemia do coronavírus (vírus que causa a COVID-19) e muito se tem falado sobre o distanciamento social. Esta tem sido uma das principais frentes no controle da pandemia tendo em vista a alta transmissibilidade do vírus e a inexistência de uma vacina e tratamento específico até o momento. Assim, a principal forma de não se contaminar é praticar o distanciamento social. Se houvesse disponível uma vacina para este vírus provavelmente não estaríamos vivendo o cenário atual.

Assim, num momento de pandemia de uma doença infecciosa, cabe a reflexão:

Será que eu estou devidamente imunizado contra doenças que já têm vacina disponíveis ?

Uma vacina muitas vezes negligenciada e importante para mergulhadores, em particular para os adeptos ao mergulho em naufrágios, é a vacina antitetânica. Durante o mergulho podem ocorrer cortes ou escoriações em metais e além de todos os cuidados de limpeza do ferimento, é fundamental que você esteja com sua vacina antitetânica em dia. O esquema básico de vacinação é na infância sendo recomendado um reforço a cada 10 anos. A vacina está disponível de forma gratuita nas unidades básicas de saúde.

Você prefere não correr o risco de contrair a gripe ?

A Sociedade Brasileira de Imunizações recomenda a vacinação contra a gripe para todas as pessoas a partir dos 6 (seis) meses de idade. Assim, se você quiser se prevenir, tome a vacina anualmente. Dependendo do destino de mergulho muitas vezes é necessário frequentar aeroportos, ambientes de muita circulação de pessoas, o que aumenta o risco de infecção pelo vírus influenza, principalmente durante os meses de outono e inverno. A vacina está disponível anualmente na rede privada, sendo gratuita no sistema público apenas para o grupo considerado prioritário pelo Ministério da Saúde.

Febre Amarela

A vacina contra a febre amarela é obrigatória para ingresso em muitos destinos famosos de mergulho, sendo necessário em muitas ocasiões, ter que apresentar o certificado internacional de imunização. Atualmente ela é recomendada em 19 estados do Brasil devido ao aumento do número de casos de febre amarela entre 2017 e 2018. Devem ser vacinadas crianças a partir de nove meses e adultos. Em caso de viagem, a mesma deve ser tomada com antecedência de, no mínimo, 10 (dez) dias antes. Se você já tomou a vacina (dose padrão) alguma vez na vida, não é preciso vacinar novamente. Desde 2014 a Organização Mundial da Saúde reconheceu que uma dose da vacina oferece imunidade para a vida toda. Mas atenção, pois existem algumas contraindicações:

  • Imunossupressão por doença ou medicamentos;
  • Reação alérgica grave a ovo;
  • Doença oncológica em quimioterapia;
  • Outras.

Assim, é importante uma avaliação médica para riscos X benefícios da vacinação em casos particulares e se você se enquadrar nesta situação, deverá apresentar um atestado médico de isenção de vacinação escrito em inglês ou francês se for viajar para locais que exigem o certificado.

Vacina contra Hepatite B

Ela está disponível de forma gratuita no sistema público, no entanto, muitos adultos ainda não se encontram vacinados pois ela foi introduzida no calendário vacinal no Brasil somente a partir de 1998. Assim se você faz parte do time de mergulhadores “mais velhos” nascidos antes de 98 é recomendado checar sua carteira de vacinação e vacinar-se. Em âmbito mundial, 90% das pessoas que convivem com a hepatite B desconhecem que são portadoras. E infelizmente é uma doença silenciosa e que pode resultar na possibilidade de uma doença grave no fígado (cirrose) e até mesmo câncer, além do que estas pessoas podem estar transmitindo a infecção para outras pessoas inconscientemente.

Tríplice Viral (Sarampo, Caxumba e Rubéola)

Em tempos de COVID-19, outra doença que não tem tratamento específico e é altamente contagiosa é o sarampo. A boa notícia é que existe a vacina, a chamada tríplice viral que abrange sarampo, caxumba e rubéola. Entretanto, infelizmente o Brasil perdeu o certificado de país livre de sarampo o ano passado, devido à considerável queda da cobertura vacinal. Então localize sua carteirinha de vacinação e certifique-se de que você tomou as duas doses necessárias. Agora se você não tomou nenhuma dose, perdeu o cartão vacinal ou não se lembra, a recomendação do Ministério da Saúde é: Se você tem até 29 anos tomar 2 doses; se você tem entre 30 a 59 anos tomar apenas 1 dose; e se já é do time dos “seniors” acima dos 60 anos, está dispensado.

Pneumonia

Existem vacinas disponíveis para pneumonia (as pneumocócicas). No entanto, elas são recomendadas rotineiramente somente para adultos acima de 60 anos. Indivíduos mais jovens têm indicação de tomar se forem portadores de doenças crônicas como diabetes, cardiopatias, pneumopatias, dentre outras condições. Se você faz algum tipo de tratamento é importante que converse com seu médico para saber se elas estão indicadas para você.

Dengue

Morando no Brasil, não poderíamos deixar de falar da dengue. Você sabia que existe vacina contra a dengue ?

A resposta é sim, existe.

Todos devem tomar ?

Não. A vacina tem por objetivo a prevenção de uma segunda infecção, com impacto na redução dos casos graves e hospitalizações. Assim, a vacina está indicada somente para os indivíduos soropositivos para dengue, entre 9 e 45 anos de idade, e que vivem em regiões endêmicas. Ela é contraindicada para pessoas que nunca tiveram a doença (soronegativos), gestantes e imunodeprimidos. Encontra-se disponível somente em clínicas privadas de imunização.

Faça sua parte. Vacine-se !

Infelizmente ainda não temos vacina contra o coronavírus e estamos sofrendo diversas consequências e impactos negativos em nossas vidas em todos os aspectos, inclusive, no mergulho. Tão logo possível, aproveite os benefícios das vacinas disponíveis que podem contribuir para a manutenção da saúde e prevenção de doenças, para que possamos continuar aproveitando ao máximo o mundo do mergulho assim que esta pandemia passar.

Por:

Margarete da Silva Augusto

É médica formada pela Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP com especialização em Clínica Médica pela UNIFESP e Geriatria pela USP.

Mergulha desde 2009, certificada como Rescue Diver, além de outras especialidades.

Veja também: