Teta Air – Recarga de Cilindros mais rápida

Os anos passam e infelizmente a evolução é muito lenta no que diz respeito a cilindros, recarga e agregados, quando comparamos com os demais itens ligados ao mergulho em si.

Com o advento do mergulho técnico, os profissionais sentem ainda mais a falta dessa evolução, principalmente quando o assunto é recarga de cilindros, justamente pela quantidade de cilindros de mergulho necessários para aqueles mergulhos com maior grau de dificuldade e planejamento.

TetaAir2

Nossa experiência aumenta com o tempo, e começamos a perceber que algumas adaptações dentro das margens de segurança, podem nos trazer grandes benefícios, auxiliando e facilitando nossas vidas, e durante uma determinada operação de mergulho, tivemos uma ideia:

“Se tivéssemos uma forma de efetuar a recarga de múltiplos cilindros e ao mesmo tempo, podemos criar misturas idênticas, evitando distorções nos percentuais dos gases inseridos nos cilindros, além é claro, reduzir o tempo da recarga destes.”

Com base nisso, alguns profissionais acabaram desenhando e criando o multiplicador de saídas apelidado de “Teta Air”, devido ao seu formato lembrar a parte por onde a vaca passa o leite.

Inicialmente foi criado para resolver o problema da demanda de recarga que havia na cidade de Bonito-MS, quando juntavam muitos mergulhadores para fazer mergulhos fundos. O inventor do equipamento foi o Lúcio Engler da Scubatec, e o apelido “Teta Air”, foi o Jaime Samambaia.

TetaAir4

O equipamento

O equipamento é simples e fácil de ser transportado.

Conectamos a entrada de gás da Teta Air no cilindro com o gás à ser inserido, e as demais mangueiras, são conectadas nos cilindros que irão receber a mistura à ser feita.

Abrindo-se a válvula de demanda do cilindro maior (10L), o gás sairá deste, passando pela Teta Air e chegando com a mesma quantidade nos cilindros. Finalizando a carga do gás em questão, basta fechar as torneiras dos cilindros recarregados, purgar a Teta Air, e mudá-la para outro cilindro de 10 litros ou para a cascata, para prosseguir com a recarga

Benefícios

  • Simples manuseio e transporte;
  • Ajuda a manter números e pressões idênticas nos cilindros, evitando distorções;
  • Reduz o tempo na recarga;
  • Diminui a chance de erros e variações percentuais, quanto aos valores das misturas.

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986 pela CMAS, participando da primeira turma da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount IANTD, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho, fotografia e vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS em 2008, sendo o idealizador do portal Brasil Mergulho criado em 1998 (MTB 0081769/SP).

Atuou na produção de diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência para a mídia, órgãos públicos no país e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO, quando o assunto é mergulho em naufrágio.

Veja também:

Octopus não é segundo estágio !

Alguns mergulhadores utilizam o octopus como segundo estágio quando deveriam utilizá-lo somente em situações emergenciais.

Safety Box – A caixa de proteção contra explosão de cilindros de mergulho

Saiba mais sobre a caixa metálica que pode salvar vidas e proteger o centro de mergulho durante a recarga dos cilindros de mergulho.

Mangueiras da Dive Gear Express – Baixa qualidade e risco no mergulho

A baixa qualidade no processo de fabricação da marca DGX podem colocar o mergulhador sob risco de acidentes e é preciso ter atenção a este equipamento.

Mergulho na História – Torneira com reserva, já ouviu falar ?

No passado elas eram peças fundamentais na segurança do mergulhador, e felizmente caíram em desuso com o advento do manômetro de imersão.