Obviamente ninguém é perfeito e erros acontecem, mas alguns aspectos podem fazer a diferença para que um mergulho seja mais seguro e sem riscos desnecessários.

Cuidando da Saúde

A adoção de um estilo de vida mais saudável no início da vida pode ajudar a adiar doenças associadas ao envelhecimento natural.

Se o mergulhador possui algum problema de saúde, é importante conversar com seu médico, buscar as soluções viáveis e mudar o estilo de vida para se manter em boas condições de saúde, pois assim, o mergulho será uma atividade que poderá ser realizada por um longo período da vida.

Antes de sair para mergulhar, é recomendável realizar uma avaliação honesta e verificar se você está clinicamente apto para mergulhar e sem sinais de doenças, riscos ou qualquer tipo de doença crônica.

Ser um mergulhador fisicamente apto significa que você deve possuir uma boa capacidade aeróbica, saúde cardiovascular e força física suficiente para atender às demandas que o mergulho exige.

  • Você pode nadar contra uma corrente ?
  • Realizar um mergulho longo ?
  • Ajudar um amigo em uma emergência ?

Todos os mergulhadores precisam ser eficientes e com capacidade para executar tarefas essenciais que envolvem a segurança no mergulho.

Apesar da atividade exigir um mínimo de condições físicas, essa exigência por si só não é suficiente para manter o mergulhador em boa forma, e um grande exemplo disso, é a quantidade de mergulhadores obesos.

Um mergulhador deve (ou deveria…) permanecer em forma com atividades adicionais fora do mergulho, como por exemplo, nadar, treinamento de força,  realizar exercícios de flexibilidade e equilíbrio. A atividade física regular, incluindo atividade aeróbica e atividade de fortalecimento muscular, são essenciais para manter uma boa aptidão física.

Manutenção de Equipamentos

Os equipamentos de mergulho são responsáveis pelo suporte a vida, e cada vez que você mergulha, está se aventurando em um ambiente fascinante, porém, implacável.

Antes de sair para mergulhar, esteja certo que seus equipamentos encontram-se em pleno funcionamento e com a manutenção em dia.

Após a lavagem, deixe o equipamento secar completamente em uma área fresca, com sombra e bem ventilada antes de guardá-lo, pois isso ajudará a diminuir a possibilidade de fungos e bactérias.

Guarde seu equipamento em uma área protegida de temperaturas extremas, além de poeira e sujeira.

Monitore regularmente seu equipamento quanto a sinais de desgaste e verifique as mangueiras se estão dentro do prazo de validade, vazamentos e rachaduras, dando atenção especial ao regulador.

Planejamento Incorreto

Uma das etapas preventivas mais importantes é o planejamento de mergulho. Obtenha o máximo de informações sobre o local onde o mergulho será realizado, pois é essencial para prevenir e gerenciar incidentes de mergulho.

Antes de sair para mergulhar, saiba sobre possíveis correntes, profundidades, vida marinha, pontos de entrada e saída, técnicas de superfície, tráfego de embarcações, preocupações com a saúde ambiental e coisas do tipo.

Informe alguém que não está mergulhando qual é o seu plano de mergulho. Faça o planejamento quanto as possíveis alterações e o que será feito. Estabeleça a profundidade máxima, tempo máximo de fundo e o suprimento de ar mínimo para finalizar o mergulho.

Foto: Clécio Mayrink

Mergulho além dos limites

Jamais pare de treinar as habilidades de mergulho, pois sempre haverá algo para ser conhecido. Mergulhar em novos ambientes, refinar as habilidades ou até mesmo usar novos tipos de equipamento, requer treinamento e conhecimento, e não importa para onde suas aventuras de mergulho o levem, pois você sempre estrá conhecendo algo novo no mergulho.

Sempre tenha em mente que o mergulho é uma atividade de lazer e precisa dar prazer para quem o pratica, e jamais se coloque sob uma situação desnecessária ao perceber que a atividade está acima dos seus limites.

Problemas com a Flutuabilidade

Não é de surpreender que as lesões mais comuns entre os mergulhadores estejam relacionadas com a flutuabilidade.

Barotraumas, subidas descontroladas, lesões relacionadas com a vida marinha e outras mais, podem ser evitadas mantendo boa flutuabilidade e atenção aos detalhes.

O controle ineficiente da flutuabilidade pode resultar em uma descida descontrolada, alterando o perfil de mergulho planejado e potencialmente aumentando o consumo de ar. Ajustes constantes no seu colete equilibrador também pode afetar o consumo de ar.

Um dos piores cenários é a subida descontrolada, colocando o mergulhador sob risco de lesão por Embolia Traumática pelo Ar (Barotrauma Pulmonar), aumentando substancialmente o risco de embolia gasosa arterial.

Lesões no ouvido também são associadas ao controle ineficaz da flutuabilidade. Durante a descida, se você sentir uma pressão desconfortável nos ouvidos ou seios nasais, interrompa a descida, suba até a pressão diminuir, tente equalizar e, se tudo estiver certo, continue descendo mais lentamente. Se você experimentar um bloqueio reverso na subida, procure descer um pouco e tentar igualar os espaços aéreos.

A maioria das lesões com a vida marinha é resultante do contato não intencional entre um mergulhador e a vida marinha. O controle adequado da flutuabilidade é essencial para proteger a nós mesmos e ao meio ambiente.

Por:

Clecio Mayrink
Editor - Brasil Mergulho

Nascido no Rio de Janeiro, ingressou no mergulho em apneia em 1983 e autônomo em 1986, participando da primeira turma de Dive Master da PADI no Rio de Janeiro em 1990. É mergulhador Técnico Trimix, Technical Cave Diver, Advanced Cave Sidemount / No Mount, possuindo mais de 30 anos de experiência em mergulho e fotografia / vídeo subaquático.

Foi membro da expedição de mapeamento da Lagoa Misteriosa em Bonito-MS, em 2008, é o idealizador do site Brasil Mergulho em 1998 (MTB 0081769/SP) e atuou em diversas matérias e documentários no Brasil e no exterior, sendo uma referência quando o assunto é mergulho e naufrágios para a mídia e órgãos públicos no país, e diversas entidades internacionais como a ONU e UNESCO.