Queimada Grande

A ilha é formada por um maciço rochoso com superfície de 430.000 m2, dotada de vegetação arbustiva e arbórea, não havendo praias em seu entorno. De topografia irregular é caracterizada por duas elevações, a primeira mais plana onde está localizado o farol e a segunda, atinge uma altitude de 206m.

Localizada a 35 km da costa de Itanhaém, o desembarque na Queimada Grande só é permitido com autorização especial, e mesmo assim, desaconselhável devido à grande quantidade de cobras existentes. Estima-se uma população de no mínimo quinze mil indivíduos da Jararaca Ilhoa (Bothrops insularis) espécie endêmica, parente das jararacas continentais, porém, com veneno muito mais poderoso.

O nome Queimada Grande surgiu a partir da técnica de atear fogo na mata costeira para afugentar as serpentes, utilizada pelos antigos pescadores, quando necessitavam desembarcar em terra firme.

Durante o trajeto é comum a avistagem de baleias de Bryde e grupos de golfinhos.

As profundidades nos pontos deste destino podem variar de 6 a 30m e a visibilidade varia muito em função das correntes e condições climáticas, alcançando 20m nos melhores dias. Ao longo do ano, a temperatura média da água gira em torno dos 22ºC, podendo chegar aos 27ºC entre meados de janeiro até a chegada do outono. Já no início do verão, ocasionalmente ocorre o fenômeno das termoclinas, correntes extremamente frias em determinada faixa da coluna d’água.

Como chegar

Em se tratando de uma ilha em mar aberto, é importante observar previamente as condições climáticas e navegação. Para desfrutar de um mergulho consciente e seguro nesse local, é recomendável agendar previamente com um dos operadores que atuam na região.

Pontos de Mergulho

Saco do Bananal

Fundo rochoso com muitas passagens e tocas, presença predominante de corais do tipo cérebro e “baba-de-boi” (Palythoa sp), cardumes de pequenos peixes recifais. Ponto indicado aos mergulhadores pouco experientes ou para treinamentos de cursos de mergulho. Profundidade: 6 a 18m.

Naufrágio Tocantins

Cargueiro brasileiro, com 114 metros de comprimento, casco de aço e propulsão à vapor. Naufragou em 30/08/1933 por motivo de mau tempo. Apesar de informações históricas afirmarem que ao entrar em contato com a água, a caldeira principal do navio teria explodido, todas as caldeiras encontram-se perfeitamente intactas no fundo.

Os destroços estão perpendiculares ao costão com a proa virada para sudoeste. A estrutura principal do navio está mantida, com exceção da popa, que partida, repousa à boreste no final dos destroços, porém ainda com parte do casario, hélice, parte do leme e o volante do leme. Aparentemente, à frente do porão de proa, o navio se quebrou, apresentando-se em profundidades diferentes. A maioria dos fragmentos do casco e outras partes dos destroços estão tombados à boreste.

A proa está parcialmente inteira e a partir desta, pode-se acompanhar as duas correntes até as âncoras, sobre as pedras. Na proa ainda são vistos escovéns, guinchos e cabeços de amarração. À meia nau, estão as três caldeiras, uma auxiliar e duas principais, além do maquinário, que é formado por um Triple Expansion Engine.

Em direção a popa, encontram-se o eixo e casa do eixo, até o ponto onde a popa se partiu. Neste ponto, existe uma estreita passagem por debaixo do casco, onde os mergulhadores mais experientes se aventuram. Cardumes de pequenos peixes recifais, garoupas jovens, miriquitis e fauna diversificada de invertebrados incrustantes, são observados entre as ferragens. Profundidade: 8 a 20 metros.

Naufrágio Rio Negro

Vapor de pequeno porte e casco de madeira. Naufragou em 17/08/1893, devido ao mau tempo. Encontra-se totalmente desmantelado, sendo possível observar as caldeiras aos 12m de profundidade. Restos dos cavernames e alguns ferros retorcidos estão espalhados entre as pedras, entre os 8 até os 27m de profundidade.

Devido sua posição desabrigada, é possível ter correnteza no local. A fauna é semelhante à encontrada no naufrágio Tocantins. Profundidade: 8 a 30m.

Saco do Farol

Pequena área circular abrigada e com fundo arenoso e rochoso, formando tocas e passagens, com abundante fauna recifal, principalmente pequenos peixes e invertebrados. As formações apresentam bom apelo visual e agradam os mergulhadores em geral. Profundidade: 12 a 30m.

Paredão

Parede rochosa vertical que desce desde a porção emersa da ilha até cerca de 25m de profundidade. Afastando-se para as laterais, em ambos os lados, blocos rochosos formam tocas e passagens próximas de fundo arenoso, algumas com penetração, possível devido à formação de salões internos bastante amplos.

Além da fauna recifal habitual, garoupas, ciobas e moreias são frequentes. A parada da embarcação neste ponto depende do sentido e intensidade da ondulação, além dos ventos, pois as condições de abrigo são desfavoráveis. Profundidade máxima de 25m.

Por:

Redação

Se você possui algum conteúdo relacionado ao mergulho e acha que pode ser interessante dividir com outros mergulhadores ?

Clique aqui para entrar em contato conosco e enviar o conteúdo a principal revista eletrônica sobre mergulho do Brasil.

Veja também:

Navio da Marinha localiza naufrágio ao sul da ilha Queimada Grande

Tripulação do navio da Marinha do Brasil, Sirius, localizou naufrágio da embarcação de pesca Odemar II, desaparecida com parte da tripulação.

Corais de 5 mil anos são descobertos na Queimada Grande

Descoberta científica localiza-se a 30 quilômetros das praias de Itanhaém, abrangendo 75 mil M² e é formada por uma única espécie.

O mistério do Naufrágio da Queimada Grande

Oficialmente ele foi descoberto no ano de 2003, foi visitado por alguns mergulhadores, mas ainda não foi identificado.

Naufrágio Tocantins – Ilha de Queimada Grande

Conhecendo um belíssimo naufrágio na costa do Estado de São Paulo