Réveillon na Grande Barreira de Corais da Austrália

Foto: Yan Grossman

No fim de 2011 tive a oportunidade de realizar o sonho de visitar a Austrália e mergulhar no azul da famosa Grande Barreira de Corais.

Localizada na costa nordeste da Austrália, no estado de Queenland, a Grande Barreira é o maior conjunto de corais do mundo, se estendendo por uma área com mais de 344 mil quilômetros quadrados. A Barreira pode ser vista do espaço e é a maior estrutura do planeta feita apenas por organismos vivos. São mais de 2900 recifes, 600 ilhas e 300 atóis de coral. Não é à toa que a região é considerada uma das 7 maravilhas naturais do mundo e foi eleita um dos patrimônios mundiais da humanidade.

Australia2Devido à beleza em cima e embaixo d’água, a Grande Barreira de Corais é um destino muito procurado por turistas do mundo inteiro. As cidades na costa de Queensland servem de base para visitantes e têm uma incrível infraestrutura para recebê-los. Em termos de mergulho, acredito que seja uma das melhores estruturas do mundo. As operadoras são muito profissionais e organizadas, com equipes e guias muito bem treinados, e barcos grandes e modernos. Na cidade de Cairns, por exemplo, os mergulhadores e apneístas fazem check-in em um terminal no estilo aeroporto.

Cairns é o principal ponto de partida para os recifes e de onde saem a maioria dos barcos da região. A cidade conta com diversas opções de hospedagem e restaurantes, assim como diversos passeios e outras atividades além do mergulho. Outras opções de hospedagem com saídas para mergulhos são Palm Cove e Port Douglas, que costumam ter hotéis um pouco mais caros, no estilo resort, e atrair uma clientela um pouco mais velha em comparação a Cairns.

Australia4De Cairns até os principais pontos de mergulho, leva-se cerca de 1 hora e meia à 2 horas. Durante a viagem, a equipe de bordo organiza os grupos, verifica equipamento e dá um briefing sobre os mergulhos. As saídas incluem até 3 mergulhos e custam cerca de U$ 200 incluindo equipamento. Os barcos costumam levar também apneístas e oferecem batismo, sendo assim, ótimo para grupos onde nem todos são mergulhadores certificados. A maioria dos mergulhos são rasos e sem corrente, ideal para mergulhadores com pouca experiência.

A Grande Barreira de Corais conta com uma incrível biodiversidade, sendo residência para mais de 1.500 espécies de peixes, 400 espécies de corais e 5.000 espécies de moluscos. Mais de 30 espécies de baleias e golfinhos passam pela Grande Barreira, sendo comum encontrar a famosa Baleia Minke nos meses de junho e julho. Seis das sete espécies de tartarugas marinhas existente no mundo se encontram na Barreira.

Tive a oportunidade de realizar quatro saídas, cada uma com uma operadora diferente, e um total de onze mergulhos espetaculares. Tudo que foi visto não caberia em apenas um artigo.

Australia3Entre as várias experiências, algumas foram mais marcantes: como o marisco gigante (giant clam) que eu nunca tinha visto. Esses mariscos chegam a pesar 200kg, medem 120cm e podem viver até 100 anos. O que mais impressiona, são as cores extraordinárias e a textura no interior que se modifica conforme sentem a aproximação de ameaças enquanto o casco começa a fechar-se. Mergulhadores devem ter cuidado para não colocar a mão no meio do marisco, correndo risco de ficarem presos.

Um dos maiores peixes que encontrei várias vezes na viagem, e muito característico da região, é o Maori Wrasse, que pode chegar até dois metros de comprimento. Eles são coloridos com vibrantes tons de azul e verde e costumam ser muito amigáveis dando boas oportunidades para fotos.

Outra espécie muito comum na região é o Peixe-Palhaço (Clownfish), famoso pelo filme Procurando Nemo. Encontrado nos tentáculos de anêmonas, é um peixe muito curioso e divertido de observar.

Apesar de já estar muito feliz com os mergulhos com saídas de Cairns, estava um pouco frustrado por ter visto apenas um tubarão e muito de longe. Havia lido que os recifes mais afastados eram ainda mais incríveis, com mais corais e animais maiores. Então, para fechar a viagem com chave de ouro, fiz um mergulho a partir de Port Douglas, de onde os barcos conseguem alcançar o Flynn Reef. Foram os melhores mergulhos da viagem.

A visibilidade era ainda maior, os corais ainda mais interessantes, e mais vida em geral. Me despedi das figuras da viagem – os mais coloridos mariscos gigantes, famílias de Clownfish, o Maori Wrasse, e ainda avistar 5 tubarões.

Australia1

Dicas:

  • Use e abuse do protetor solar. A camada de ozônio na Austrália é mais fina do que em outras parte do mundo. É o país com a maior incidência de câncer de pele.
  • Traga remédio para enjôo. A viagem de barco até a Grande Barreira é longa e pode ser turbulenta, principalmente no retorno.
  • Live Aboard. Os recifes ainda mais incríveis e com animais maiores ficam isolados. É preciso sair em um Live Aboard para mergulhar nos pontos mais remotos.
  • Visite outras regiões da Austrália. Além da Grande Barreira, o país tem outros grandes destinos como Sydney, Melbourne e Gold Coast. Em Sydney não deixe de visitar o zoológico e as praias.

Operadoras de mergulho

  • Tusa Dive – Localizada em Cairns, oferece saídas para mergulho, apneia e batismo.
  • Silver Series – Saídas de Cairns e Port Douglas para mergulho e snorkeling (apnéia).
  • Poseidon – Saídas de Port Douglas para mergulhos e snorkeling (apnéia). Oferecem transporte a partir de Cairns.


Vídeo

Yan Grossman
Mergulha desde 1991 e trabalha com Marketing Digital. Além de adorar o mar, gosta muito das montanhas geladas e é criador do site de snowboarding e viagens para a neve Snowbrasil.com