Um trator no porto

Foto: Bruno Tae

O Arquipélago de Fernando de Noronha foi ocupado por portugueses, ingleses, franceses, espanhóis e até norte americanos ao longo de cinco séculos. Atualmente ocupada por turistas, Noronha oferece diversas opções de diversão.

Trator-Noronha1As atrações estão, em sua maioria, nas praias em seus trajes mínimos, mas há quem diga que ainda existem outras, como as chamadas “belezas naturais” do lugar, falo das praias, mergulhos, fauna, etc.

Dessas, algumas são completamente desconhecidas pelos modernos aventureiros, por falta de tempo ou por culpa dos tentadores e padronizados pacotes turísticos. É o que acontece com o Naufrágio do Leão, com a vista do Morro do Pico e com o Trator do Porto !

Passar um tempo prolongado na ilha é uma vantagem para poucos endinheirados dispostos a pagar uma limitante “taxa de conservação ambiental” ou para alguns poucos jovens sortudos e esforçados que fazem de suas férias, em prol de nossos queridos novos exploradores.

Trabalhar em uma operadora de mergulho localizada no único lugar do país onde o mercado “borbulhador” não pára, nos rende incríveis experiências e oportunidades.

A maioria dessas oportunidades ocorre nos momentos de ociosidade. Mas não se enganem, eles não são muitos.

Após acordar às 5:30h da matina, embarcar dezenas de cilindros em diversos barcos, montar diversos equipamentos, a ociosidade dura cerca de vinte minutos até embarcarem os clientes.

Foi numa dessas oportunidades esperando clientes em um barco fundeado na entrada do Porto de Santo Antônio, que resolvi fui dar um “mergulhinho” para acordar. Me afastei um pouco e uma tartaruga curiosa logo apareceu. Passou por mim e continuou. A direção em que ela seguiu me mostrou uma formação rochosa no mínimo interessante.

Estava aos 11m de profundidade e parecia uma pedra grande e solitária, com uns quatro metros de altura em relação ao fundo. Nadei decidido em sua direção. Quando cheguei mais perto pude observar que definitivamente não era uma formação natural

As formas simétricas revelavam dois blocos retangulares e suspensos, ligados ao meio, com uma das pontas direcionada para a superfície. Essas duas formações lembravam esteiras como as de um tanque de guerra. Pensei se tratar de um tanque militar da época da Segunda Guerra Mundial naufragado, como que de cabeça para baixo. Mas um tanque de guerra seria bem maior e não passaria assim facilmente despercebido pelos historiadores.

Trator-Noronha3Talvez um trator ?

Subi ansioso e contei a novidade para os presentes no barco. Para a minha surpresa ninguém se alarmou. O mestre do barco me contou tratar-se de um trator que caiu de uma balsa que abastecia a ilha e trazia em sua carga material para a construção do porto durante a década de 80.

O trator de esteiras naufragou a noroeste da popa do conhecido naufrágio Eleni Stathatos, arriscaria dizer que está há uns cinquenta metros de distância.

O arquipélago é repleto de histórias e lugares inusitados. O trator por sua vez, é apenas mais um deles.

Cada pedacinho de sua história, mesmo que pequena, é uma fascinante descoberta, e se ficarmos presos aos cômodos pacotes oferecidos pelas agências de turismo, deixamos de conhecer a outra face do lugar, e essa, é quase sempre a mais interessante.

Rafael Esteves

Rafael Esteves é natural de Campinas-SP, 35 anos. Formado em Análise de Sistemas pela PUC, mergulha desde de 1989. Master Instructor PDIC e mergulhador técnico pela GUE e AINTD.

É sócio proprietário operadora Captain Dive, que está completando 10 anos no mercado nacional, tendo iniciado os trabalhos na Ilha Grande como operadora, e hoje como Scuba Facility PDIC, recebeu o título de Centro de Treinamento Gold PDIC, por ter formado mais de 1000 alunos.