Mergulhando no Submarino U-352 na Carolina do Norte

Segunda Guerra Mundial, em particular a batalha do Atlântico, e Tubarões !

Em 2006, em visita a uma feira de mergulho nos Estados Unidos, dei de cara com uma foto subaquática fantástica. Na realidade, uma montagem com mais de 200 fotos, compondo a imagem de um submarino alemão naufragado: o U-352.

Nunca mais tirei aquela imagem da cabeça. Tinha que mergulhar lá !

E para completar, o local era repleto de Tubarões Mangona (Carcharias Taurus) – grandes, com cara de mau e completamente inofensivos.

Durante alguns anos, fiquei estudando a história do U-352 e de diversas outras batalhas travadas nesta região especial do Oceano Atlântico. Cape Lookout, região compreendida pelas cidades de Beaufort, Atlantic Beach e Morehead, além de abrigar dezenas de naufrágios da Segunda Guerra e de fazer parte da programação de lançamentos de recifes artificiais, é também o local do naufrágio do Queen Anne’s Revenge, a nau capitânia do famigerado pirata Barba Negra.

No início deste ano (2009), surgiu a oportunidade de fazer uma viagem a trabalho e dar uma “esticadinha” até Morehead em agosto, justamente na melhor época do ano para mergulhar no Atlântico Norte, que é de julho a setembro.

Foi aí então que decidi montar a Expedição Tiburón / X Divers U-352, para mergulhar e registrar o U-352 e os tubarões do “Cemitério do Atlântico Norte”, como é conhecida a região.

Além de mim, fizeram parte da expedição: Michel Medeiros, João Tavares e Rodrigo Figueiredo, proprietário da X Divers e responsável pelo espetacular registro fotográfico da viagem.

Para chegar a Morehead, tomamos um avião de Miami até o aeroporto de Raleigh / Durham, onde alugamos um carro para cobrir a viagem de aproximadamente 3 horas até o litoral. Durham, por sinal, nos valeu uma super visita ao centro hiperbárico da Duke University e a matriz da DAN Internacional. Apenas visita… sem DD !

Em Morehead, utilizamos a operadora Olympus, hoje, dirigida pelo Capitão Robert Purifoy, filho do responsável pela descoberta do U-352. A outra operadora local, a Discovery Diving, fica na cidade vizinha de Beaufort. Por questões logísticas, mergulhamos com a Discovery Diving.

Ambas operadoras contam com excelentes embarcações, adequadas ao mar duro e à longa navegação média para os mergulhos off-shore, de 25 a 30 milhas náuticas. Também contam com estações de recarga para nitrox, extremamente recomendado para mergulhos na faixa dos 30 metros.

Spar e Indra

Nosso primeiro ponto foi o naufrágio do “Spar”, um quebra-gelo da guarda costeira aposentado, naufragado artificialmente no ano de 1997.

Apesar de ser um lançamento artificial relativamente recente, a quantidade de vida é absolutamente fora do comum.

Uma completa cadeia alimentar com cardumes de sardinha, xaréu, olho-de-boi, enxada, barracuda e… muito Tubarão, muito mesmo !

Eu diria mais de 30…

Ao todo, realizamos quatro mergulhos no “Spar” e sempre contamos com a mesma situação: na parte mais rasa, na água quente e clara, onde encontrávamos entre 4 a 5 tubarões. Eram os maiores do grupo, como se estivessem tomando conta da situação.

Sobre o convés do “Spar”, já na faixa dos 24m de profundidade, dezenas de tubarões, dos mais variados tamanhos, circundando os mergulhadores sem nenhuma atitude agressiva e como se nós nem estivéssemos lá. Na parte mais funda, na areia, outros tantos, porém mais tímidos e se escondendo nas águas mais escuras e frias, devido à forte termoclina.

Terminamos o mergulho completamente extasiados… Os Tubarões já valeriam a viagem e o U-352 ainda estava por vir.

À tarde, mergulhamos no naufrágio artificial do Indra, já na área in-shore. Apesar da baixa visibilidade, o Indra nos proporcionou excelentes penetrações e, novamente, muitos peixes e bastante vida marinha.

U-352

Finalmente chegou o dia pelo qual esperava há três anos.

Após uma navegação bastante dura e sem que o capitão aliviasse ao cortar as ondas numa velocidade média de 20 nós, chegamos ao U-352. Ali estávamos, apenas 30 metros de um submarino alemão. Estava difícil de segurar a ansiedade. Eu e o Rodrigo descemos na frente. Uma vez que o mergulho tem perfil quadrado e bem próximo do fundo, sabíamos que não teríamos muito tempo, mesmo com cilindros de 100 pés cúbicos e EAN 30.

Submarino-Peca

Quando conseguimos distinguir a forma do submarino praticamente intacto, a emoção realmente foi grande. O cabo de descida estava na popa, amarrado ao eixo.

O U-352 está levemente adernado sobre o boreste. Percorrendo o convés repleto de peixes, e minha cabeça não parava de imaginar os detalhes do naufrágio. Esse não era um naufrágio comum. Da meia nau à proa, encontra-se a torreta, ainda com a base do periscópio e do snorkel, e a escotilha principal de entrada aberta. Seguindo um pouco mais à frente, avistamos a base do canhão de 88mm, jamais encontrado.

Acredita-se que tenha sido arrancado pelas cargas de profundidade e que tenha tido o mesmo fim da metralhadora de 20mm, encontrada anos depois a 50m de distância do submarino. Atualmente, esta se encontra em exposição na operadora Olympus Dive Center.

Seguindo em direção à proa, existe uma abertura retangular com nítidas marcas de penetração. No briefing de mergulho, não recebemos nenhuma instrução que proibisse a penetração e, como somos treinados para tal, decidimos cautelosamente e respeitosamente entrar no U-352. O mergulho ficou ainda mais fascinante…

Do ponto de entrada até a proa, a penetração estava completamente impedida por uma montanha de sedimento, mas em direção à popa, conseguimos avançar por mais dois compartimentos, passando claramente pela praça de comando.

Retornamos rapidamente ao ponto de entrada e saímos pela mesma abertura. Já do lado de fora, completamos o mergulho em direção à proa, passando por mais uma entrada por onde se carregavam os torpedos para, finalmente, chegar à proa, bastante desmantelada, mas com o imponente tubo de torpedo de bombordo facilmente identificável.

Repetimos praticamente o mesmo perfil no segundo mergulho.

Durante a descompressão, cercado por algumas barracudas bem grandes, o filme das batalhas do Atlântico passava na minha cabeça… Eu só pensava em agradecer a possibilidade de mergulhar nessa parte da história da humanidade e em prestar os meus respeitos aos que dela participaram.

Para mim, este foi mais um sonho realizado, mais um mergulho fantástico.

Voltaremos lá em 2010, com mais uma expedição Tiburón / X Divers, para nos aprofundarmos mais ainda nessa aventura que é mergulhar no “Cemitério do Atlântico Norte”, que ainda guarda grandes naufrágios, como o “Papoose” e o “Naeco”.

Galeria de Imagens – Clique na imagem abaixo

Submarino U-352 – Fotos: André Valentim / Google Photos

Por:

André Valentim

André Valentim mergulha desde 1986 e é instrutor de mergulho desde 1988, atuando sempre no mercado de mergulho, formando mais de 1.100 alunos como instrutor PDIC e SSI. Foi considerado membro SSI Platinum Pro 5000 e premiado como instrutor do ano (2005-2006) pela PDIC.

Além de representante da Sea Sub equipamentos de mergulho, atualmente é instrutor de mergulho técnico pela SSI e DAN Instructor Trainer.

Veja também:

Navio americano afundado na Segunda Guerra por U-Boat é encontrado

O navio americano USS Eagle PE-56 naufragou com 49 dos 62 tripulantes e foi localizado por um grupo de mergulhadores no Maine, Estados Unidos.

Mergulho na floresta de Kelps da Califórnia

Leia o relato sobre as operações nas Channels Islands e o mergulho na floresta de Kelps, na costa da Califórnia, nos Estados Unidos.

Bonne Terre – Um Mergulho no Passado

Embora mergulhar em uma mina abandonada não pareça uma coisa muito comum, desta vez não...

Mergulho no Parque Nacional de Yellowstone

Os Estados Unidos reservam os mais variados tipos de mergulhos, e Yellowstone pode ser uma boa opção de um mergulho diferenciado.